Virado para o sol



Equipado agora com os seus instrumentos de última geração, o Solar Orbiter da ESA está configurado para fornecer novas visões da nossa estrela, fornecendo, em particular, observações de perto dos polos do Sol.

Após o seu lançamento em Fevereiro de 2019, e a viagem de três anos utilizando os campos de gravidade da Terra e Vénus, o Solar Orbiter operará a partir de uma órbita elíptica ao redor do Sol. No seu ponto mais próximo, abordará a nossa estrela a 42 milhões de quilómetros, mais perto que o planeta Mercúrio.

A impressão de artista do Solar Orbiter em frente ao sol tempestuoso é retratada aqui. A imagem do Sol é baseada numa imagem obtida pelo Observatório de Dinâmica Solar da NASA. Esta imagem captura o início de uma erupção solar ocorrida a 7 de Junho de 2011. No canto inferior direito, os filamentos escuros do plasma afastam-se do Sol. Durante este evento, em particular, observou o plasma levantar-se, depois a cair novamente para criar “pontos quentes” que brilhavam na luz ultravioleta.

Os objetivos da missão Solar Orbiter são examinar como o Sol cria e controla a heliosfera, a atmosfera prolongada do Sol em que reside e os seus efeitos na actividade solar. A nave espacial irá combinar observações in situ e de sensoriamento remoto perto do Sol, para obter novas informações sobre a actividade solar e como as erupções produzem partículas energéticas, o que impulsiona o vento solar e o campo magnético coronal e como funciona o dínamo interno do Sol.

Os seus 10 instrumentos científicos estão nos estágios finais de serem adicionados à aeronave, antes dos testes extensivos de preparação, para o lançamento em 2019, a partir do Cabo Canaveral, EUA.

Solar Orbiter é uma missão liderada pela ESA com a participação da NASA.

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Deixe um comentário