Vida útil prolongada para as missões científicas da ESA

O Comité do Programa Científico da ESA (SPC) confirmou a continuação de dez missões científicas na frota operacional da Agência até 2022.

Após uma análise abrangente dos seus méritos científicos e estatuto técnico, o SPC decidiu alargar o funcionamento das cinco missões lideradas pelo Programa Científico da ESA: ClusterGaiaINTEGRALMars Express e XMM-Newton. O SPC também confirmou as contribuições da Agência para as operações alargadas da HinodeHubbleIRISSOHO e ExoMars TGO.


Isto inclui a confirmação de operações para o ciclo 2019-2020 para missões que receberam extensões indicativas como parte do processo de extensão anterior, e extensões indicativas para um período adicional de dois anos, até 2022 (1)

A decisão foi tomada durante a reunião do SPC no Centro Europeu de Astronomia Espacial da ESA, perto de Madrid, Espanha, a 14 de Novembro.

A decisão foi tomada durante a reunião do SPC no Centro Europeu de Astronomia Espacial da ESA, perto de Madrid, Espanha, a 14 de Novembro.

As missões científicas da ESA têm capacidades únicas e são prolíficas na sua produção científica. Cluster, por exemplo, é a única missão que, ao variar a separação entre as suas quatro aeronaves, permite medições multiponto da magnetosfera em diferentes regiões e em diferentes escalas, enquanto Gaia está a realizar a pesquisa astrométrica mais precisa alguma vez efectuada, permitindo estudos sem precedentes da distribuição e movimentos de estrelas na Via Láctea e mais além.

Muitas das missões científicas estão a provar ser de grande valor para investigações que não estavam previstas no momento do seu lançamento. Os exemplos incluem o papel da INTEGRAL e XMM-Newton no acompanhamento de recentes detecções de ondas gravitacionais, abrindo o caminho para o futuro da astronomia multi-mensageira, e as muitas descobertas de diversos exoplanetas pelo Hubble.

A colaboração entre missões, incluindo aquelas lideradas por agências parceiras, também é de grande importância. A interacção entre missões solares como Hinode, IRIS e SOHO fornece um amplo conjunto de instrumentos complementares para estudar o nosso Sol; enquanto isso, a Mars Express e a ExoMars TGO estão na vanguarda da frota internacional que está a investigar o Planeta Vermelho.

Outro factor convincente para apoiar a extensão é a introdução de novos modos de operação para acomodar as necessidades em evolução da comunidade científica, bem como novas oportunidades para os cientistas se envolverem com as missões.

[1] A cada dois anos, todas as missões cujas operações aprovadas terminam dentro dos quatro anos seguintes estão sujeitas a revisão pela estrutura consultiva da Directoria de Ciência. As extensões são concedidas a missões que satisfaçam os critérios estabelecidos para status operacional e retorno científico, sujeitas ao nível de recursos financeiros disponíveis no programa de ciências. Estas extensões são válidas para os quatro anos seguintes, sujeitas a uma revisão e confirmação intercalar após dois anos.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

 

%d blogueiros gostam disto: