Viagem para os Sentinels

Duas expedições recentes, que levaram cientistas a percorrer 26 000 km através do Oceano Atlântico, retornaram informações críticas para garantir que os satélites Copernicus Sentinel forneçam dados precisos sobre o estado dos nossos oceanos.

As informações dos Sentinels são usadas de inúmeras maneiras de modo a facilitar a vida e a tornar os negócios mais eficientes.


Por exemplo, a previsão do oceano é importante para a segurança marítima e operações em alto-mar, e a produtividade biológica ajuda sectores como o sector pesqueiro.

Portanto, é imperativo monitorizar a qualidade dos dados ao longo da vida de um satélite – e isso significa aventurar-se a fazer medições in situ que podem ser comparadas com as medições obtidas a partir do espaço.

Manta de fitoplâncton

Em 2016 e 2017, uma equipa de cientistas fez exactamente isso e enfrentou os mares durante meses, em viagens que os levaram desde o Reino Unido ao Atlântico Sul, para colectar medições de referência de clorofila, temperatura do mar e muito mais.

O cientista oceânico da ESA, Craig Donlon, explicou: “Confiamos nestas medições, que são totalmente rastreáveis, independentes e colectadas de acordo com protocolos rígidos.

São uma parte essencial para garantir que os dados dos satélites possam ser usados com confiança para aplicações práticas e pesquisas científicas.”

Gavin Tilstone, do Laboratório Marinho de Plymouth, disse: “Cada expedição levou cerca de sete semanas.

Em rota para a Geórgia do Sul e as Ilhas Falkland, fizemos cerca de um milhão de medições de cada vez, incluindo leituras da cor do oceano, temperatura da superfície e movimento das ondas.

Efectuando medições no mar

Viajámos através de muitos regimes oceânicos diferentes para que essas medições fossem tão variadas quanto possível, desde regiões costeiras produtivas até giros tipo deserto, no centro do oceano, que raramente são acedidos por navios de pesquisa.”

Mais importante, sempre que possível, as medições foram tomadas ao mesmo tempo que os Sentinels passavam por cima.

Também foi importante comparar as medições obtidas por diferentes instrumentos a bordo, o que faz parte de garantir que estes sejam da mais alta qualidade e rigorosamente calibrados antes de serem usados para verificar os dados dos satélites”, acrescentou o Dr. Tilstone.

Alguns dos resultados iniciais sugerem que as medições da clorofila pelo instrumento de cor do oceano e solo do Sentinel-3A podem ser melhoradas ligeiramente, o que agora está a ser abordado na cadeia de processamento de dados.

Canal da Mancha

Craig Donlon comentou: “É exactamente por isso que estas campanhas são vitais. Geram confiança nas nossas missões e produtos de dados e destacam questões que podem ser facilmente abordadas pelas nossas equipas de especialistas. As campanhas de repetição regular são uma parte essencial das nossas missões por satélite porque fornecem a evidência da qualidade da missão para nossos usuários.”

Os satélites Copernicus Sentinel-1, Sentinel-2 e Sentinel-3 retornam diferentes tipos de dados sobre os oceanos.

Por exemplo, o Sentinel-1 pode ser usado para observar ondas e derramamentos de óleo, o Sentinel-2 e o Sentinel-3 oferecem informações sobre o fitoplâncton, que são a base da cadeia alimentar marinha e são importantes no equilíbrio do dióxido de carbono na atmosfera.

O Sentinel-3 também é usado para registar a temperatura da superfície do mar, o que é necessário para a previsão. Além disso, a informação, tanto do fitoplâncton como da temperatura, é importante para entender como os nossos oceanos estão a mudar.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

 

%d blogueiros gostam disto: