Um oásis do Sahara



Libya_s_Al_Jawf_oasis_large

Nesta imagem, feita pelo satélite japonês ALOS, podemos ver o interior do Deserto do Sahara, em particular o oásis de Al Jawf, a sudeste da Líbia. 

Podemos ver a cidade no canto superior esquerdo, enquanto um campo de agricultura irrigado parece Braille, a atravessar a imagem. Entre a cidade e os campos podemos ver as duas pistas paralelas do Aeroporto de Kufra.

Os campos agrícolas atingem um quilómetro de diâmetro. As formas circulares foram criadas por um pivô central de irrigação, em que um longo sistema de canos roda à volta de um poço, no centro de cada campo. Uma vez que praticamente não chove, bombeia-se água do subsolo para a irrigação.  

Com o Deserto do Sahara a ocupar boa parte da Líbia, só 6% do território é adequado à agricultura. Embora a Líbia não tenha rios permanentes ou bacias de água, tem vários aquíferos fósseis – bacias subterrâneas naturais que contem enormes quantidades de água limpa.

Estes aquíferos são um legado com cerca de 10 mil anos, quando este território era a casa de rios e lagos, regularmente reabastecidos por chuvas. Grandes quantidades de água ensopavam o subsolo, penetrando até aos quatro quilómetros.

Em 1983 o governo líbio começou o Projecto do Grande Rio Feito pelo Homem, para bombear água dos aquíferos para as zonas habitadas da costa, fornecendo água potável e para irrigação.

Foram construídos milhares de quilómetros de tubos, com mais de seis milhões de metros cúbicos de água a escoarem diariamente do coração do deserto até à costa.  

O satélite japonês Advanced Land Observing Satellite (ALOS) captou esta imagem a 24 de Janeiro de 2011 com o seu Advanced Visible and Near Infrared Radiometer type-2, que mapeia a cobertura vegetal nas bandas do visível e do infravermelho próximo com uma resolução de 10 metros.

A ESA apoia o ALOS como uma Third Party Mission, o que significa que a ESA usa o seu sistema em terra para fazer a aquisição, processar, distribuir e arquivar dados do satélite para a sua comunidade de utilizadores. 

Esta imagem surge no Earth from Space video programme.

Notícia e imagem: ESA

Deixe um comentário