Um buraco no espaço



Esta visão assustadora, retratada pelo telescópio espacial Hubble da NASA/ESA, parece a névoa iluminada por um farol que roda em torno de um buraco de forma curiosa – e há alguma verdade nisto. Enquanto a “névoa” é poeira e gás iluminados pela estrela, o “buraco” é realmente um fragmento do céu verdadeiramente vazio.

Quando o manto escuro foi inicialmente fotografado, assumiu-se que era uma nuvem muito fria e densa de gás e poeira, tão grossa que era totalmente opaca na luz visível e que bloqueava toda a luz atrás dela. Em geral, tais glóbulos são conhecidos por pequenos casulos de estrelas formadoras, mas graças ao Observatório Espacial Herschel da ESA, que teria podido ver qualquer indício de formação estelar em comprimentos de onda infravermelhos, mas não, além de observações baseadas no solo, acabou por revelar-se um fragmento do céu verdadeiramente vazio.

Os astrónomos pensam que foi formado quando jatos de gás, de algumas das jovens estrelas da região mais larga, perfuraram a camada de pó e gás que forma a nebulosa circundante. A poderosa radiação de uma estrela madura próxima também pode ter ajudado a desobstruir o buraco.

A estrela brilhante aqui observada é V380 Orionis, uma estrela jovem com 3,5 vezes a massa do nosso próprio Sol. Parece branca devido à sua alta temperatura superficial de cerca de 10 000ºC – quase o dobro do Sol. A estrela é tão jovem que ainda está cercada por uma nuvem de material remanescente da sua formação. Este material brilhante, na área aqui retratada, é apenas visível devido à luz da estrela, a qual não emite nenhuma luz visível própria. Esta é a assinatura de uma “nebulosa de reflexão” – esta é conhecida como NGC 1999.

Esta imagem foi publicada pela primeira vez no site do Hubble em Março de 2000. A descoberta de Herschel foi feita em 2010.

Notícia: ESA

Imagem: NASA/ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Deixe um comentário