Swarm monitoriza magnetismo oceânico elusivo



O campo magnético é, indiscutivelmente, uma das características mais misteriosas do nosso planeta. A missão Swarm da ESA está, continuamente, a produzir mais impressões sobre como o nosso escudo protector é gerado, como se comporta e como está a mudar. Adicionando ainda outra corda à sua proa, o Swarm está agora a monitorizar as mudanças no campo magnético produzidas nos oceanos, com mais detalhes do que nunca.

Novos resultados do trio de satélites Swarm estão a impressionar a conferência da União de Geociências Europeia deste ano, em Viena, na Áustria. Este evento de uma semana atrai cientistas de todo o mundo para partilhar descobertas sobre o nosso planeta.

Hoje, o centro das atenções está firmemente em Swarm, e um destaque especial é como a missão está a monitorizar uma das fontes mais elusivas de magnetismo da Terra.

Enquanto o campo magnético é criado, em grande parte, por um oceano de ferro líquido superaquecido e rodopiante no núcleo externo do planeta, outros factores, como rochas magnetizadas na crosta e o fluxo do oceano, também afectam o campo.

Normalmente, não pensaríamos na água do mar como sendo uma fonte de magnetismo, mas esta faz uma pequena contribuição.

Quando a água salgada do oceano flui através do campo magnético da Terra, é gerada uma corrente eléctrica e isso, por sua vez, induz um sinal magnético.

No entanto, o campo gerado pelas marés é pequeno e extremamente difícil de medir – mas o Swarm fez exactamente isso, com detalhes notáveis.

A animação acima mostra como o sinal magnético de maré muda ao longo de 24 horas.

Nils Olsen, da Universidade Técnica da Dinamarca, disse: “Usámos o Swarm para medir os sinais magnéticos das marés da superfície do oceano até o fundo do mar, o que nos dá uma imagem verdadeiramente global de como o oceano flui em todas as profundezas – e isto é uma novidade.

Uma vez que os oceanos absorvem o calor do ar, o acompanhamento de como esse calor está a ser distribuído e armazenado, principalmente em profundidade, é importante para entendermos a mudança climática.

Além disso, como este sinal magnético de maré também induz uma resposta magnética fraca no fundo do mar, estes resultados serão usados para aprender mais sobre as propriedades eléctricas da litosfera e manto superior da Terra.”

Além de lançar essa nova luz sobre as marés magnéticas, o Swarm também produziu um novo mapa do campo magnético gerado pela crosta terrestre. Leia mais aqui: Litosfera magnética detalhada.

Em busca desse sinal magnético elusivo
 
Notícia e imagens: ESA
 
Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90
Tags:  ,

Deixe um comentário