Surpresa inesperada: uma imagem final da Rosetta



Os cientistas que analisaram a telemetria final enviada pela sonda Rosetta, imediatamente antes de se desligar na superfície do cometa, no ano passado, reconstruiram uma última imagem do seu local de aterragem.

Depois de mais de 12 anos no espaço, e dois anos a seguir o Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko enquanto orbitavam o Sol, a missão histórica da Rosetta concluiu a 30 de Setembro, com a nave espacial a descer para o cometa, numa região que hospeda vários poços antigos.

Últimas imagens da Rosetta em contexto

Reenviou uma riqueza de imagens detalhadas e dados científicos sobre o gás, o pó e o plasma do cometa, à medida que se aproximava da superfície.

Mas houve uma última surpresa para a equipa da câmara, que conseguiu reconstruir os pacotes finais de telemetria numa imagem nítida.

última imagem completa transmitida pela Rosetta, foi a última que vimos chegar de volta à Terra numa única peça, momentos antes da aterragem em Sais”, diz Holger Sierks, investigador principal da câmara OSIRIS, no Instituto Max Planck para Pesquisa de Sistemas Solares em Göttingen, Alemanha.

Mais tarde, encontrámos alguns pacotes de telemetria no nosso servidor e pensámos, uau, que poderia ser outra imagem.”

Durante as operações, as imagens foram divididas em pacotes de telemetria a bordo da Rosetta, antes de serem transmitidos para a Terra. No caso das últimas imagens obtidas antes da aterragem, os dados da imagem, correspondentes a 23 048 bytes por imagem, foram divididos em seis pacotes.

Para a última imagem, a transmissão foi interrompida após três pacotes completos serem recebidos, com 12 228 bytes recebidos no total, ou apenas mais de metade de uma imagem completa. Isso não foi reconhecido como uma imagem pelo programa informático de processamento automático, mas os engenheiros em Göttingen puderam entender esses fragmentos de dados para reconstruir a imagem.

O local de aterragem da Rosetta em escala

Devido ao programa informático de compressão a bordo, os dados não foram enviados pixel-a-pixel, mas sim camada por camada, o que dá um nível cada vez maior de detalhes com cada camada. Os 53% dos dados transmitidos, portanto, representam uma imagem com uma taxa de compressão efectiva de 1:38, em comparação com a taxa de compressão antecipada de 1:20, o que significa que alguns dos detalhes mais finos foram perdidos.

Ou seja, fica muito mais desfocada ao aumentar o zoom em comparação com uma imagem de qualidade total. Isso pode ser comparado à compressão de uma imagem para enviar por e-mail, contra uma versão descompactada que imprimiria e penduraria na sua parede.

A câmara não foi projectada para ser usada abaixo de algumas centenas de metros da superfície, mas uma imagem mais nítida pode ser conseguida usando a câmara numa configuração especial: enquanto a câmara foi projectada para ser operada com um filtro de cor no feixe óptico, isso foi removido para as últimas imagens. Isso resultaria em imagens desfocadas para o cenário de uma imagem normal acima de 300 m, mas entraram em foco num “ponto doce” a 15 m de distância.

Cometa a 331 m

Ao aproximar-se dos 15 m, melhorou o foco e, portanto, o nível de detalhe, como pode ser visto na imagem reconstruída tirada de uma altitude de 17,9-21,0 m e correspondente a uma região quadrada de 1×1 m na superfície.

Enquanto isso, a altitude da última imagem publicada anteriormente foi revisada para 23,3-26,2 m. A incerteza surge do método exacto de cálculo da altitude e do modelo de forma do cometa usado.

A sequência de imagens revela progressivamente mais e mais detalhes da superfície coberta de pedras, proporcionando uma impressão duradoura do local de aterragem da Rosetta.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Deixe um comentário