SMOS coloca a salinidade do Mediterrâneo em foco



A missão SMOS da ESA cartografa variações na humidade do solo e sal nas águas superficiais dos oceanos abertos. Quando o satélite foi projectado, não estava previsto que fosse capaz de medir a salinidade em mares menores, como o Mediterrâneo, mas SMOS superou novamente as expectativas.

O satélite transporta um instrumento de micro-ondas para capturar imagens de “temperatura de brilho”, que correspondem à radiação micro-ondas emitida a partir da superfície da Terra e pode estar relacionada à humidade do solo e à salinidade do oceano.

Enquanto esta informação está a cumprir o objetivo principal da missão de melhorar a nossa compreensão do ciclo da água da Terra, SMOS encontrou uma infinidade de outros usos, como monitorizar furacões, medir o gelo fino flutuante nos oceanos polares e melhorar as previsões de safra.

As suas medições de salinidade nos oceanos abertos não só nos ajudam a entender como os nossos oceanos estão a responder às mudanças climáticas, mas também estão a melhorar a nossa compreensão de questões como a acidificação do oceano e eventos de grande escala como o El Niño.

No entanto, estes processos demoram muito tempo; assim, mares menores como o Mediterrâneo, onde os processos ocorrem em prazos muito mais curtos, oferecem um laboratório ideal para estudar a dinâmica do oceano.

Por exemplo, são necessários mapas de salinidade para entender como o fluxo de água do Oceano Atlântico, através do Estreito de Gibraltar, forma o Alboran Gyre no Mar Mediterrâneo ocidental.

Até recentemente, as observações do SMOS sobre a salinidade no Mediterrâneo foram dificultadas por duas razões.

O maior problema, e que foi entendido quando a missão foi projetada, era da “contaminação terra-mar”. Isto acontece porque as medições tomadas no solo circundante escoam para os dados do oceano e afetam a qualidade.

O outro problema, que não foi previsto, é a extensão da interferência de rádio.

Assim que o SMOS foi lançado em 2009, transpareceu que o seu sinal estava a ser interrompido por numerosos transmissores ilegais ao redor do mundo. Contudo, ao trabalhar com autoridades nacionais de protecção de frequências, 75% destes transmissores foram encerrados.

No entanto, este é um processo laborioso e algumas regiões, como a costa da Líbia e o Mediterrâneo Oriental, continuam contaminadas onde as estratégias de mitigação ainda não foram bem-sucedidas.

Graças à determinação dos cientistas para resolver estes problemas e com a ajuda do Apoio de Observação da Terra ao Elemento Científico da ESA, o SMOS pode agora cartografar a salinidade em grande parte do Mar Mediterrâneo.

O Centro de Especialistas de Barcelona, em Espanha, abordou tanto o problema da contaminação terra-mar como também reduziu os efeitos da interferência, fazendo alterações na cadeia de processamento de dados padrão.

Antonio Turiel do centro disse: “Nós olhamos diariamente para o mar Mediterrâneo a partir do nosso instituto em Barcelona e estávamos determinados a resolver o problema.

A solução que surgiu realmente significou voltar para cada medição individual de temperatura de brilho e filtragem e processá-la de uma maneira diferente.”

A Universidade de Liège, na Bélgica, também abordou esta questão propondo um método para reduzir o ruído.

Aida Alvera Azcárate, da Universidade de Liège, disse: “A contaminação do mar e da radiofrequência no Mar Mediterrâneo faz com que o nível de sinal indesejado nos dados seja bastante alto.

Desenvolvemos uma abordagem para extrair o sinal geofísico real dos dados ruidosos, aumentando a exactidão do conjunto de dados final.”

Os dois institutos fizeram um trabalho fabuloso no tratamento das limitações que enfrentávamos quando observávamos as mudanças de salinidade no mar Mediterrâneo”, disse Susanne Mecklenburg, directora da missão SMOS. O seu trabalho estende o catálogo de aplicações que SMOS pode apoiar para beneficiar a ciência e a sociedade em geral.

Mais uma vez vemos SMOS a remeter para além da sua promessa original – e tenho certeza que mais sucessos estarão para vir.”

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  , ,

Deixe um comentário