Sentinel-5P coloca a poluição do ar em destaque



Lançado no dia 13 de Outubro, o satélite Sentinel-5P apresentou as suas primeiras imagens da poluição do ar. Mesmo que o satélite ainda esteja a ser preparado para o serviço, estes primeiros resultados foram aclamados como excepcionais e mostram como este último satélite Copernicus está preparado para levar a tarefa de monitorizar a qualidade do ar a uma nova era.

Esta nova missão promete fotografar os poluentes atmosféricos com mais detalhes do que nunca. E, embora estes primeiros resultados demonstrem a sofisticação do instrumento do satélite, certamente colocam em destaque a questão da poluição do ar.

Uma destas primeiras imagens mostra o dióxido de azoto sobre a Europa. Causado em grande parte pelo tráfego e pela combustão de combustíveis fósseis em processos industriais, as altas concentrações deste poluente do ar podem ser vistas em partes da Holanda, na área de Ruhr, no oeste da Alemanha, no Vale Po em Itália e em partes da Espanha.

Alguns dos primeiros dados foram utilizados para criar um mapa global de monóxido de carbono. A animação mostra altos níveis deste poluente do ar em partes da Ásia, África e América do Sul.

O Sentinel-5P também revela os altos níveis de poluição das centrais eléctricas na Índia.

Josef Aschbacher, Director de Programas de Observação da Terra da ESA, disse: “O Sentinel-5P é o sexto satélite do programa de monitorização ambiental da CE Copernicus, mas o primeiro dedicado à monitorização da nossa atmosfera.

Estas primeiras imagens oferecem um vislumbre tentador do que nos espera e não são apenas um marco importante para a missão Sentinel-5P, mas também um marco importante para a Europa.

O Sentinel-5P captura a erupção vulcânica em Bali

Dados como os que vemos aqui, irão apoiar o Serviço de Monitorização da Atmosfera Copernicus e serão usados para emitir previsões e, em última instância, serão valiosos para ajudar a colocar as políticas de mitigação apropriadas.”

O Sentinel-5P possui o sensor mais avançado do seu género até à data: Tropomi. Este instrumento de última geração pode cartografar poluentes como dióxido de azoto, metano, monóxido de carbono e aerossóis, todos os quais afectam o ar que respiramos e o nosso clima.

Depois do satélite ter sido lançado, Tropomi passou por um processo de descontaminação planeado. A porta que o manteve fechado durante este período foi aberta recentemente, permitindo a entrada da luz e a obtenção das primeiras imagens.

Ozono segundo o Sentinel-5P

Estes primeiros resultados foram revelados no Centro Aeroespacial Alemão DLR, onde os dados do Sentinel-5P são processados.

Além de oferecer detalhes sem precedentes, a missão tem uma largura de 2600 km, o que permite que todo o planeta seja mapeado a cada 24 horas.

A missão também foi capaz de capturar o lançamento de cinzas do vulcão Mount Agung em Bali, na Indonésia.

Stefan Dech, Director do Centro de Observação da Terra da DLR, disse: “Estas primeiras imagens são surpreendentes, especialmente porque o satélite ainda está nos estágios iniciais de comissionamento para as operações.

O instrumento Tropomi do satélite prometeu oferecer imagens de poluentes com maior resolução do que nunca, e certamente está a cumprir a sua promessa.”

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário