Satélites Chineses com participação Portuguesa deverão lançados a 25 de Setembro



Tianwang-1 1

Foi levantado um pouco do véu de secretismo que envolve o lançamento da missão TW-1 Tianwang-1 que tem participação da empresa Portuguesa Tekever. 

O lançamento dos três pequenos satélites deverá ter lugar a 25 de Setembro de 2015 e deverá ser levado a cabo pelo novo foguetão CZ-11 Chang Zheng-11. Não se sabe ao certo qual será o local de lançamento, mas recentes rumores apontam para que esta venha a ter lugar a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, onde os três pequenos veículos já se encontram.

Informações anteriores davam conta de que os três satélites seriam transportados como carga secundária para uma órbita sincronizada com o Sol a uma altitude de 481 km. Porém, nesta altura, e caso isto se venha a verificar, não se sabe se haverá uma carga principal de maiores dimensões a bordo.

A missão TW-1 Tianwang-1 (天网一号) é composta por três micro satélites que irão demonstrar o voo em formação e a capacidade de comunicação entre os três veículos em órbita. Os três satélites são aparentemente designados TW-1A Tianwang-1A (SECM), TW-1B Tianwang-1B (NJUST-2) e TW-1C Tianwang-1C (NJFA-1), estes desenvolvidos pela Universidade de Aeronáutica e de Astronáutica de Nanjing. Os satélites são baseados nas plataformas CubeSat, sendo o NJUST-2 baseado na plataforma CubeSat-2U e o NJFA-1 baseado na plataforma CubeSat-3U.

A cooperação entre a Tekever e o Shanghai Engineering Center for Microsatellite (SECM), surge após um acordo assinado a 22 de Abril de 2014 para o desenvolvimento de tecnologia para satélites e tendo como objectivo principal a integração da tecnologia da empresa portuguesa “dentro da plataforma de micro satélites e mini satélites que está a ser desenvolvida pela SECM.”

Segundo Ricardo Mendes, administrador da Tekever, em entrevista ao Correio da Manhã, “É a tecnologia Gamalink da Tekever que vai viabilizar que os três satélites que compõem a missão funcionem em conjunto, como uma constelação de satélites e não um conjunto de três satélites desconexos.

No entanto, o mundo dos pequenos satélites é algo de relativamente novo na exploração espacial Chinesa. Segundo Zhang Xuan, da SECM, “A motivação para a missão é muito simples, sendo esta a única maneira da nossa equipa aprender a tecnologia de fabrico de um CubeSat e de demonstrar a fiabilidade de transportar a tecnologia que é aplicada no solo para o espaço.” Ainda segundo Zhang Xuan, o processo de desenvolvimento da missão encontrou muitas dificuldades, mas a sua equipa conseguiu avançar no seu progresso.

O lançamento da missão TW-1 estava originalmente previsto para ter lugar em finais de 2014, acompanhando o lançamento de um satélite de detecção remota (neste caso, seria uma missão militar não especificada). No entanto, o lançamento seria adiado para Maio de 2015 e agora está previsto para finais de Setembro de 2015.

O principal objectivo da missão é o de levar a cabo a experiências e a avaliação de uma carga SDR (Software Defined Radio) no espaço. Com a missão pretende-se demonstrar o voo autónomo em formação utilizando dois CubeSats; a constituição de uma rede de CubeSats tendo por base os protocolos Gamalink e CSP (CubeSat Space Protocol); a demonstração e em órbita e validação do equipamento utilizado nos CubeSats, tais como os receptores GPS/Beidou, a micro-propulsão a gás MEMS; a monitorização dos gelos marítimos e a obtenção de informação sobre o trafico marítimo em regiões polares tendo por base o sistema AIS (Automatic Identification System) a bordo de um CubeSat; a monitorização do fluxo de tráfico aéreo ao recolher sinais ADS-B (Automatic Dependent Surveillance Broadcast); e a observação do processo de separação dos três satélites.

As cargas principais são estações de radio amador que serão utilizadas para a troca de TT&C (Telemetry, Tracking, and Command) com uma estação de controlo no solo, e transmissão de um sinal de farol e dados telemétricos com outras estações no solo. Outras cargas a bordo serão um receptor GPS/BD, uma câmara de vídeo, e receptores AIS e ADS-B.

O satélite TW-1A Tianwang-1A (SECM) irá transportar um transceptor para TT&C e uma carga de comunicação, além de uma câmara de vídeo. O satélite TW-1B Tianwang-1B (NJUST-2) irá transportar um transceptor para TT&C e uma carga de comunicação, além de um receptor AIS. O satélite TW-1C Tianwang-1C (NJFA-1) irá transportar um transceptor para TT&C e uma carga de comunicação, além de um receptor ADS-B.

Os sinais de telemetria, farol e do dispositivo de comunicações, serão abertos ao público para acesso sem restrições para que os raio-amadores em todo o mundo possam seguir os satélites e monitorizar o seu estado. Os sinais de downlink em VHF e em UHF com 57k6 GMSK e em 2.4GHz com o espectro alargado a 1Mbps, tendo por base o protocolo GAMANET.

A tecnologia Gamalink

A tecnologia Gamalink foi desenvolvida pela Tekever e permite que uma única plataforma física (hardware) possa lidar com vários tipos de ligações de rádio, cada uma das quais utilizando o seu próprio software. Anteriormente, cada ligação de rádio possuía o seu próprio hardware, porém esta nova tecnologia torna o sistema mais simples.

Assim, a tecnologia Gamalink irá permitir aos três satélites trabalharem em conjunto como uma constelação de satélites e não como um conjunto de três satélites desconectados. A tecnologia irá permitir que os três satélites comuniquem entre si e que interajam, “como uma dança espacial,” nas palavras de Ricardo Mendes.

Imagem: Internet Chinesa

Deixe um comentário