Satélite Sentinel captura o nascimento de icebergue colossal



Ao longo dos últimos meses, um pedaço da plataforma de gelo de Larsen C, na Antártida, tem estado suspendido de forma precária, à medida que uma fenda profunda cortava transversalmente o gelo. Testemunhado pela missão Copernicus Sentinel-1, um pedaço de gelo, com mais do dobro do tamanho do Luxemburgo, agora rompeu-se, gerando um dos maiores icebergues registados e mudando, para sempre, o contorno da Península Antártica.

A fissura apareceu há alguns anos, mas parecia relativamente estável até Janeiro de 2016, quando começou a alongar.

Só em Janeiro de 2017 viajou 20 km, atingindo um comprimento total de cerca de 175 km.

Após algumas semanas de calma, a fenda propagou mais 16 km no final de maio, e depois estendeu-se ainda mais no final de Junho.

Mais importante ainda, à medida que a fissura crescia, ramificava-se para a borda da plataforma, enquanto antes corria paralelamente ao Mar Weddell.

Monitorização da fissura

Com apenas alguns quilómetros entre o final da fissura e o oceano, no início de Julho, o destino da plataforma estava selado.

Cientistas do Projeto MIDAS, um consórcio de pesquisa antártico, liderado pela Universidade de Swansea, no Reino Unido, usaram imagens de radar da missão Copernicus Sentinel-1 para observar de perto a situação em rápida mudança.

Uma vez que a Antártida está a entrar nos meses de inverno sombrios, as imagens de radar são indispensáveis porque, além da região ser remota, o radar continua a obter imagens, independentemente do clima sombrio e mau.

Adrian Luckman, líder do MIDAS, disse: “O recente desenvolvimento em sistemas de satélites, como o Sentinel-1, melhorou significativamente a nossa capacidade de monitorizar eventos como este.

Profundidade da fissura no gelo

Noel Gourmelen, da Universidade de Edimburgo, acrescentou. “Temos vindo a utilizar informações da missão CryoSat da ESA, que carrega um altímetro de radar para medir a altura e a espessura da superfície do gelo, para revelar que a fissura estava a várias dezenas de metros de profundidade.”

Conforme previsto, uma secção de Larsen C – com cerca de 6000 quilómetros quadrados – separou-se, finalmente, como parte do ciclo natural do nascimento de um icebergue. O icebergue gigante pesa mais de mil milhões de toneladas e contém aproximadamente a mesma quantidade de água que o Lago Ontário, na América do Norte.

Há meses que estávamos à espera disto, mas a rapidez do avanço da fenda final ainda foi uma surpresa. Continuaremos a monitorizar o impacto deste evento na plataforma de gelo de Larsen C e o destino deste enorme icebergue”, acrescentou o Prof. Luckman.

O progresso do icebergue é difícil de prever. Pode permanecer na área durante décadas, mas se se romper, as partes podem dirigir-se para o norte para águas mais quentes. Uma vez que a plataforma de gelo já está a flutuar, este icebergue gigante não influencia o nível do mar.

Fissura no gelo vista pelo Sentinel-2A

Com o nascimento do icebergue, cerca de 10% da área da plataforma de gelo foi removida.

A perda de uma parte tão grande é de interesse porque as plataformas de gelo, ao longo da península, desempenham um papel importante nos glaciares de “reforço” que alimentam o gelo em direção ao mar, reduzindo efetivamente o seu fluxo.

Os eventos anteriores mais ao norte, nas plataformas Larsen A e B, capturados pelos satélites ERS e Envisat da ESA, indicam que, quando uma grande parte de uma plataforma de gelo se perde, o fluxo de glaciares por trás pode acelerar, contribuindo para o aumento do nível do mar.

Graças ao programa europeu de monitorização ambiental Copernicus, temos os satélites Sentinel para fornecer informações essenciais sobre o que está a acontecer no nosso planeta. Isto é especialmente importante para a monitorização de regiões remotas inacessíveis, como os polos.

Mark Drinkwater, da ESA, disse: “Ter os Copernicus Sentinels, em combinação com missões de pesquisa como a CryoSat, é essencial para monitorizar as mudanças do volume de gelo em resposta ao aquecimento climático.

Em particular, a combinação de dados, durante todo o ano, a partir destas ferramentas de satélite baseadas em micro-ondas, fornece informações críticas para entender a mecânica da fractura na plataforma de gelo e as mudanças na integridade dinâmica das plataformas de gelo da Antártida.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  

Deixe um comentário