Satélite do vento embalado a vácuo



Com o seu lançamento em vista, o satélite Aeolus da ESA está a passar pela sua última ronda de testes, para garantir que esta complexa missão funciona em órbita. Durante o próximo mês, encontra-se numa grande câmara, que teve todo o ar sugado, para simular o vácuo do espaço.

Aeolus contém um dos instrumentos mais sofisticados alguma vez a ser posto em órbita: Aladin, que inclui dois grandes lasers, um grande telescópio e receptores muito sensíveis.                                                                                             

O laser gera luz ultravioleta que é transmitida para a atmosfera para traçar o perfil dos ventos do mundo – uma abordagem completamente nova para medir o vento a partir do espaço.

Estas fatias verticais através da atmosfera, juntamente com a informação que reúne sobre aerossóis e nuvens, melhorarão a nossa compreensão da dinâmica atmosférica e contribuirão para a pesquisa climática.

Aeolus selado

Além da promoção científica, o Aeolus desempenhará um papel importante na melhoria das previsões meteorológicas.

Manter tal tecnologia inovadora significa que houve desafios durante o desenvolvimento – mas o avanço da tecnologia espacial nunca é fácil.

Com estas dificuldades no passado, o satélite já está a ser submetido a testes finais na Bélgica, antes de ser enviado para a Guiana Francesa para o lançamento, que está programada para meados do ano que vem.

Depois de ter passado esta primavera no Airbus Defense and Space em Toulouse, na França, onde foi verificado se poderia suportar o choque de vibração e ruído do lançamento e a sua viagem para o espaço, Aeolus está no Centro Espacial de Liège desde maio.

Compreender os ventos da Terra

Aqui, acabou de ser encerrado na câmara de vácuo térmico, onde ficará durante os próximos 30 dias ou mais.

Com o satélite em segurança, a porta da câmara foi fechada alguns dias atrás e o ar foi bombeado para criar um vácuo.

Denny Wernham, director do instrumento Aladin da ESA, disse: “Leva algum tempo para o ar e o vazamento do satélite ser bombeado para fora da câmara, mas Aeolus finalmente enfrentou “vácuo sólido”, no dia 31 de Outubro.

Os testes estão agendados para funcionar continuamente nos próximos 33 dias. Estamos particularmente interessados em ver quão bem o laser transmite os seus pulsos de luz ultravioleta e o alinhamento do instrumento neste ambiente.

Antes da câmara

Uma vez que o vácuo simula o ambiente espacial, estes testes são cruciais para nos dar confiança de que funcionará correctamente quando estiver a orbitar a 320 km acima das nossas cabeças.”

Uma vez realizados estes testes, o satélite será transportado de volta a Toulouse para verificações finais, antes de ser enviado pelo Atlântico para o Porto Espacial da Europa, na Guiana Francesa, para lançamento num foguetão Vega.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário