Rússia lança satélite de comunicações para Angola



A Rússia levou a cabo o seu último lançamento orbital de 2017 ao colocar em órbita o primeiro satélite de comunicações Angolano.

O lançamento do AngoSat-1 teve lugar às 1900:03.435UTC do dia 26 de Dezembro e foi levado a cabo pelo foguetão Zenit-3SLBF/Fregat-SB (Зенит-2SБ80 70103403 (SLБ80.5)/2006) a partir da Plataforma de Lançamento PU-1 do Complexo de Lançamento LC45 do Cosmódromo de Baikonur, Cazaquistão.

Todas as fases do lançamento decorreram como previsto e o conjunto Fregat-SB/AngoSat-1 foi colocado numa órbita inicial a partir da qual manobra para atingir a órbita geossíncrona.

No entanto, e minutos após a separação do estágio Fregat-SB, as comunicações com o AngoSat-1 foram perdidas durante algumas horas, vindo a ser restabelecidas mais tarde com o veículo a estar totalmente operacional.

Construído pela RKK Energia (plataforma) e pela Airbus Defence & Space (carga de comunicações), o AngoSat-1 é baseado no modelo USP e transporta uma carga de repetidores de banda-C (16 repetidores) e de banda-Ku (6 repetidores). O satélite terá uma vida útil de 15 anos na órbita geossíncrona e está equipado com oito motores STP-70 para a realização das suas manobras de manutenção orbital.

O acordo para a construção do AngoSat-1 foi assinado em 2009 com a sua implementação prática a ter lugar em 2012, com a construção do satélite a ser iniciada em finais deste ano. Para além do desenvolvimento do satélite, o acordo entre a Rússia e Angola levou à construção de um centro de controlo nos arredores de Luanda.

O satélite ficará estacionário na órbita geossíncrona a 13º longitude Este, cobrindo todo o território Angolano.

O foguetão Zenit-2SB/Fregat-SB

O foguetão Zenit-2SB/Fregat-SB, pertence à família dos lançadores Energia e foi desenvolvido, na sua versão original como 11K77 Zenit-2, para servir como substituto dos lançadores derivados a partir de mísseis balísticos intercontinentais utilizados desde os anos 60.

O desenvolvimento do Zenit foi iniciado em 1978 e os primeiros testes do primeiro estágio Zenit-1 foram iniciados em 1982, tendo os trabalhos na primeira plataforma destes lançadores sido concluídos em Dezembro de 1983. Apesar de todos os trabalhos nas instalações de apoio para os veículos estarem prontas, o primeiro lançamento foi sucessivamente adiado devido aos problemas no desenvolvimento do primeiro estágio.

Elektro-L2 19Finalmente a 13 de Abril de 1985 foi iniciada uma série de lançamentos de ensaio que se prolongou até 1987 colocando em órbita uma série de cargas experimentais, findos os quais todo o sistema do Zenit foi aceite para uso militar.

Uma versão do seu primeiro estágio foi utilizada como propulsor lateral do potente 11K25 Energia, entretanto abandonado. Foram construídas duas plataformas em GIK-5 Baikonur, mas outras plataformas em GIK-1 Plesetsk nunca foram concluídas sendo entretanto convertidas para serem utilizadas com os Angara.

Desde o inicio do programa que estava prevista a construção de um lançador a três estágios, o Zenit-3, para colocar cargas na órbita geossíncrona. Esta versão utilizaria o estágio 11D68 Blok-D já utilizado no 11A52 N1 e 8K82K Proton-K, podendo assim substituir este lançador na colocação de satélites na órbita de Clark. Nos anos 80 foi considerado o seu lançamento a partir de uma base situada no Cabo York, Austrália, sendo posteriormente adoptado pelo consórcio Sea Launch para lançamentos a partir de uma plataforma petrolífera norueguesa reconvertida e situada no Oceano Pacífico no equador terrestre.

Este lançador pode utilizar dois ou três estágios que consomem oxigénio líquido e querosene. A configuração de três estágios, Zenit-3SLB, seria utilizada para missões de peso médio e orbitas elevadas (circulares ou elípticas) incluindo órbitas de transferência para a órbita geossíncrona ou directamente para a órbita geossíncrona, bem como trajectórias de escape. O lançador de dois estágios, Zenit-2SLB, é utilizado para missões para a órbita terrestre baixa e para órbita elípticas. Cada configuração utiliza uma carenagem distinta. Todos os elementos de cada configuração possuem uma extensiva herança de voo.

São quatro os principais componentes dos lançadores: Primeiro estágio Zenit, Segundo estágio Zenit, estágio superior Blok DM-SLB (na configuração Zenit-3SLB), e carenagem e estrutura de suporte de carga.

O primeiro e segundo estágios utilizados neste sistema são idênticos aos utilizados no sistema Sea Launch. São fabricados pela PO Yuzhmash na Ucrânia, com a direcção do desenho fornecida pela SOD Yuzhnoye. O estágio superior Blok DM-SLB, usado somente no lançador Zenit-3SLB, é aproximadamente adaptado a partir do estágio Blok DM-SL usado no programa Sea Launch e é fabricado pela RKK Energia na Rússia.

Zenit 000783

A carenagem utilizada no Zenit-3SLB tem um diâmetro de 4,1 metros e é fabricada pela NPO Lavochkin na Rússia. Foi especificamente desenhada para o estágio Blok-DM e tem uma história de voo desde 1996. a carenagem do Zenit-2SB tem um diâmetro de 3,9 metros e é fabricada pela PO Yuzhmash. Foi especificamente desenhada para o lançador a dois estágio Zenit-2SB e tem uma história de voo que recua a 1985.

A estrutura de suporte da carga para o Zenit-3SLB é fornecida pela RKK Energia. Consistem num adaptador de carga fornecido pela Saab Ericsson Space (interfaces 937, 1194 ou 1666) e um compartimento de transferência fabricado pela RKK Energia. A estrutura de suporte de carga para o Zenit-2SB é fornecida pela SDO Yuzhnoye e consiste num adaptador de carga Saab montado num suporte fabricado pela PO Yuzhmash. Se necessários podem ser fornecidos outros tipos de interfaces e dispensadores de carga múltipla.

Este sistema de lançamento utiliza a configuração do Zenit utilizada no sistema Sea Launch, mantendo os melhoramentos e modificações que foram levadas a cabo para a Sea Launch no foguetão 11K77 Zenit-2. A SDO Yuzhnoye desenhou a versão original de dois estágios do Zenit-2 durante o final dos anos 70 e inícios dos anos 80 em resposta aos requerimentos do Ministério da Defesa Soviético para um sistema de lançamento que fosse capaz de reconstituir de forma rápida e eficiente as constelações de satélites em órbita. Consequentemente, o desenho dá especial ênfase á robustez, fácil operacionalidade e tempo de reacção rápido, que são conseguidos através de uma automação extensiva. Neste caso estão incorporadas operações de lançamento e de processamento avançadas, desenvolvidas pela companhia KBTIM, em contraste com os sistemas desenvolvidos nas décadas anteriores. Uma segunda intenção para o original Zenit-2 era a sua utilização em lançamentos tripulados para a estação espacial Mir. Apesar de nunca ter sido utilizado nesta condição devido á desintegração da União Soviética, e de forma a ser utilizado para lançamentos tripulados, o veículo Zenit foi desenhado com um grau significativo de redundância interna e outras características que garantem uma alta fiabilidade.

Configuração geral do primeiro estágio

O primeiro estágio do foguetão Zenit do sistema é composto por uma estrutura primária de alumínio com sistemas de endurecimento mecanicamente integrados e utiliza propelentes de LOX/querosene amigos do ambiente. O tanque superior de LOX encontra-se numa depressão côncava no topo do tanque de querosene e a conduta de LOX passa através do meio do tanque inferior. Com uma massa bruta no lançamento para o Zenit-2SB de 450.000 – 460.000 kg e uma massa bruta no lançamento de 462.000 – 466.000 kg para o Zenit-3SLB, a força de 740.000 kg produzida pelo primeiro estágio leva a um rácio força / peso de cerca de 1,6 para ambos os veículos. A separação entre os dois primeiros estágios é levada a cabo através de quatro retro-foguetões de combustível sólido localizados na base do estágio.

O desenho do primeiro estágio do Zenit foi intencionalmente mantido em comum com o desenho dos lançadores do sistema Sea Launch. Ambos são manufacturados na mesma linha de produção da PO Yuzhmash.

O motor RD-171M

O motor RD-171M, que equipa o primeiro estágio do lançador Zenit, que uma oxigénio líquido e querosene. Fornece uns impressionantes 740.000 kgf de força ao nível do mar e é um dos motores mais potentes em todo o mundo, tendo tecnologias avançadas desenvolvidas pelas principais organizações russas de propulsão. Foi desenvolvido especificamente para o lançador Zenit em paralelo com o motor RD-170 que serviu como propulsor lateral para o sistema Energia/Buran. Um programa de ensaio exaustivo que levou a cabo mais de 200 testes precedeu o primeiro voo em meados dos anos 80. As quatro câmaras de combustão são alimentadas por uma única turbo-bomba montada verticalmente que por sua vez é propulsionada por dois geradores de gás que fornecem gás rico em oxigénio para uma única turbina. O controlo de voo é conseguido ao orientar através de uma suspensão cardan as câmaras de combustão independentemente suspensas, enquanto que a capacidade de diminuir a potência até cerca de 74 % da força nominal proporciona uma grande flexibilidade no desenho da trajectória.

Configuração geral do segundo estágio

Tal como o primeiro estágio, o segundo estágio do lançador Zenit é composto por uma estrutura primária de alumínio com sistemas de endurecimento mecanicamente integrados e utiliza propelentes de LOX/querosene amigos do ambiente. A propulsão é fornecida por um motor principal RD-120 com a orientação a ser proporcionada por um motor vernier RD-8 alimentado a partir dos mesmos tanques de propolente. O tanque de querosene inferior tem uma forma toroidal e envolve o motor principal, enquanto que o tanque superior de LOX é um cilindro encimado por uma cúpula. No topo do estágio encontra-se um compartimento de instrumentação contendo os sistemas aviónicos. Os segundos estágios, tais como os primeiros estágios, são fabricados numa linha de produção comum da Yuzhmash, beneficiando assim de um inventário comum e de um controlo de qualidade proporcionado pela Boeing. O segundo estágio gera 101.000 kg de força (a combinação do RD-120 e do RD-8). Tal como no primeiro estágio, a separação é conseguida com quatro retro-foguetões sólidos.

O motor RD-120 e o motor RD-8

O motor principal do segundo estágio possui uma única câmara de combustão e o seu escape é fixo, consumindo LOX e querosene para gerar 93.000 kgf. A potência do RD-120 pode ser reduzida até cerca de 78% no final do voo. O RD-120 foi desenvolvido especificamente para o sistema de lançamento Zenit.

O motor vernier RD-8 está colocado na parte posterior do segundo estágio proporcionando um controlo nos três eixos espaciais. O RD-8 utiliza os mesmos propelentes e armazenamento de propelentes que é utilizado pelo RD-120, com uma turbo-bomba a alimentar quatro motores em suspensão cardan em torno do exterior do RD-120. o RD-8 produz 8.100 kgf de força e foi especificamente desenvolvido pêra o Zenit. A capacidade de modular a sua operação de 65 s a 900 s após o final da queima do motor principal proporciona flexibilidade no desenho da missão para os lançamentos do Zenit-2SB para uma grande quantidade de órbitas circulares baixas.

Dados estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 5701

– Lançamento orbital Rússia: 3217 (56,44%)

– Lançamento orbital desde Baikonur: 1478 (25,93%)

Dos lançamentos bem sucedidos levados a cabo em 2017: 12,9% foram realizados pelos Estados Unidos (incluindo ULA – 81,8% (9) e Orbital ATK – 18,2% (2)); 20,0% (17) pela China; 21,2% (18) pela Rússia; 12,9% (11) pela Arianespace; 4,7% (4) pela Índia; 7,1% (6) pelo Japão e 21,2% (18) pela SpaceX.

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC):

05 Jan (????:??) – Falcon-9 (B1043) – Cabo Canaveral AFS, SLC-40 – ZUMA

09 Jan (????:??) – CZ-2D Chang Zheng-2D – Taiyuan, LC9 – GJ-3 Gaojing-3; GJ-4 Gaojing-4

10 Jan (????:??) – Delta-IV-M+(5,2) (D379) – Vandenberg AFB, SLC-6 – NROL-47 (Topaz-5)

Deixe um comentário