Rosetta encontra pluma no cometa sustentada a partir de baixo



No ano passado, uma fonte de poeira foi detectada a jorrar de dentro do cometa da Rosetta, levando à pergunta: como foi impulsionada? Os cientistas sugerem agora que a explosão foi conduzida de dentro do cometa, talvez libertada de antigos respiradouros de gás ou bolsas de gelo escondido.

A pluma foi vista pela nave espacial Rosetta da ESA, a 3 de julho de 2016, apenas alguns meses antes do final da missão e quando o Comet 67P/Churyumov-Gerasimenko se estava a afastar do Sol, a uma distância de quase 500 milhões de km.

Observámos uma pluma de poeira brilhante que soprava para longe da superfície, como uma fonte”, explica Jessica Agarwal, do Instituto Max Planck para Pesquisa do Sistema Solar em Göttingen, na Alemanha, e autora principal do novo artigo.

Durou cerca de uma hora, produzindo cerca de 18 kg de pó a cada segundo.”

Além de um aumento acentuado do número de partículas de poeira que fluíam do cometa, Rosetta também detectou pequenos grãos de água-gelo.

As imagens mostraram a localização da explosão: uma parede de 10 m de altura em torno de uma depressão circular na superfície.

Plumasfalésias em colapso e elementos semelhantes foram anteriormente observados no cometa, mas detetar este foi especialmente afortunado: além de fotografar a localização em detalhes, Rosetta também recolheu amostras do próprio material ejectado.

Pluma do Cometa em contexto

Esta pluma foi realmente especial. Temos excelentes dados de cinco instrumentos diferentes sobre como a superfície mudou e sobre o material ejectado, porque Rosetta estava, por acaso, a voar sobre a pluma e a olhar para o lado certo da superfície quando aconteceu”, acrescenta Jessica.

Rosetta não tinha anteriormente fornecido uma cobertura detalhada e abrangente de um evento como este.”

Inicialmente, os cientistas achavam que a pluma poderia ter sido o gelo superficial a evaporar na luz solar. No entanto, as medições da Rosetta mostraram que tinha que haver algo mais enérgico para lançar essa quantidade de poeira no espaço.

“Teria de ter sido liberada energia por baixo da superfície para impulsioná-la”, diz Jessica. “Há processos evidentes em cometas que ainda não entendemos completamente.”

Água com gelo na região de Imhotep

Como essa energia foi libertada ainda não está claro. Talvez fossem bolhas de gás pressurizadas a subir por cavidades subterrâneas e a explodir livremente através de aberturas antigas, ou as reservas de gelo a reagir violentamente quando expostas à luz solar.

Um dos principais objetivos de Rosetta foi entender como funciona um cometa. Por exemplo, como se forma o seu invólucro gasoso e muda ao longo do tempo?”, afirma Matt Taylor, cientista do projecto Rosetta da ESA.

As explosões são interessantes por causa disso, mas não conseguimos prever quando ou onde estas ocorreriam – tínhamos de ter sorte em capturá-las.

Ter uma cobertura completa e multi-instrumental de uma explosão como esta, e seu efeito na superfície, é realmente importante para revelar como estes eventos são conduzidos.

Os cientistas da Rosetta estão agora a combinar medições obtidas a partir do cometa com simulações de computador e trabalho de laboratório, para descobrir o que impulsiona tais plumas em cometas.”

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Deixe um comentário