Revestimento para ajudar os satélites de telecomunicações da Europa a manterem-se frescos



spacebus_neo_from_thales_alenia_space_medium

Uma técnica de revestimento de superfície, originalmente desenvolvida para implantes médicos, está a ser configurada para proteger a próxima geração de satélites europeus de telecomunicações.

A empresa irlandesa ENBIO concebeu inicialmente a sua tecnologia de revestimento ‘CoBlast’ para a fabricação de implantes de titânio melhorados, mas os engenheiros espaciais rapidamente identificaram o seu potencial para ajudar os satélites a suportar a intensa radiação solar encontrada em órbita.

Os revestimentos da ENBIO são aplicados através da remoção de uma camada de óxido de metal e a colagem do revestimento directamente com o metal subjacente, tudo num único passo. O revestimento torna-se, de forma eficaz, parte integrante do metal. O resultado são superfícies altamente estáveis, com um comportamento óptico e térmico robusto, cujas características podem também  ser personalizadas como desejado.

Como benefício adicional, o processo de pressão e à temperatura ambiente é totalmente amigo do ambiente, sem necessidades especiais de manipulação ou resíduos nocivos.

Começámos o trabalho no sector espacial através da ESA, aplicando a protecção térmica nas suas missões científicas“, explica Kevin O’Flynn da ENBIO.

As missões científicas são essencialmente únicas, missões tecnicamente exigentes, mas agora a nossa tecnologia satélite “filtro solar” tem comprovado que funciona com os padrões necessários. A ESA agora está a planear usá-la no seu programa de Neosat – trabalhando com os fabricantes europeus de satélites para projectar um mercado central de satélites de telecomunicações do futuro“.

Os satélites de telecomunicações ficam muito mais perto da Terra do que as missões científicas distantes – geralmente operando em pontos fixos em relação à superfície da Terra em órbita geoestacionária, quase 36 000 km para cima. No entanto, têm de continuar a trabalhar de forma confiável por mais de uma década e meia, apesar de serem continuamente banhados pela luz solar não filtrada.

Os satélites de telecomunicações precisam manter uma temperatura interna estável para benefício dos seus aparelhos electrónicos. Além disso, extremos de temperatura entre os lados ensolarados e sombreados também poderiam causar deformações estruturais – podem até implicar feixes pontuais de comunicação de antena fora do alinhamento.

Os revestimentos de controlo térmico da ENBIO permitem aos satélites manterem-se ‘frescos’ e ajudam-nos a operar com eficiência ideal. Embora com sede em Dublin, na primavera de 2015 a ENBIO abriu uma instalação específica para administração térmica espacial em Clonmel, Co. Tipperary, com o apoio da ESA e da agência de desenvolvimento ‘Enterprise Ireland’.

A ESA deu-nos um apoio inestimável, e temos sido felizes em poder retribuir o favor através da apresentação de soluções de alto desempenho para missões tanto científicas como de telecomunicações“, acrescenta o Dr. O’Flynn.

Estamos também à procura outros clientes comerciais para os nossos produtos, em ambos os sectores espaciais europeu e norte-americano.”

O trabalho da ENBIO com a ESA também ajudou a inspirar um número crescente de aplicações terrestres para a tecnologia de revestimento, desde ajudar os sistemas electrónicos a manterem-se ‘frescos’ e os equipamentos de petróleo e gás à prova de corrosão em ambientes marinhos difíceis.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pre-AO1990

Tags:  

Deixe um comentário