Revelados os segredos dos desfiladeiros de gelo



Todos sabemos que as placas de gelo da Antártida estão a diminuir, mas recentemente os cientistas também descobriram grandes desfiladeiros que atravessam o baixo ventre dessas placas, tornando-as potencialmente ainda mais frágeis. Graças às missões CryoSat e Sentinel-1, está a ser lançada uma nova luz neste mundo oculto.

A Antártida está cercada por placas de gelo, que são faixas grossas de gelo que se estendem da camada de gelo e flutuam nas águas costeiras. Desempenham um papel importante em reforçar a camada de gelo na terra, diminuindo de forma efectiva o fluxo da camada enquanto se arrasta para o mar.

Veja o vídeo

A camada de gelo que abrange a Antártida é, na sua própria natureza, dinâmica e em constante movimento. Recentemente, no entanto, tem havido um número preocupante de relatórios sobre as placas flutuantes em desbaste e até mesmo em colapso, permitindo que o gelo terrestre no interior flua mais rápido para o oceano e aumente o nível do mar.

Enquanto os cientistas continuam a estudar o rosto mutante da Antártida, monitorizam fendas na superfície do gelo, que podem sinalizar o desaparecimento de uma placa, e sabem como essas mudanças estão a afectar a biologia das águas costeiras; também estão cientes de mudanças dramáticas que ocorrem abaixo da superfície, escondidas da vista.

Existem enormes desfiladeiros invertidos na parte inferior das placas de gelo, mas pouco se sabe sobre como estas se formam e como afectam a estabilidade da camada de gelo.

Pensa-se que um tipo possa ser causado por água subglacial, que drena por baixo da camada de gelo e corre para o oceano. Nesta região, a água do oceano é estratificada, com a água mais quente na parte inferior. No entanto, como a água derretida mais fria derrama no oceano, sobe porque é menos densa do que a água do mar – mas, à medida que aumenta, arrasta a água quente do fundo, o que faz com que o ventre da plataforma de gelo flutuante derreta.

Pensa-se que outro tipo seja causado pela maneira como a água do oceano circula sob a placa.

Os cientistas têm usado o CryoSat da ESA para estudar mudanças na superfície da plataforma de gelo e a missão Copernicus Sentinel-1 para estudar como as placas fluem, para saber mais sobre o que está a acontecer de forma oculta.

O seu foco tem sido a plataforma de gelo de Dotson, na Antártida Ocidental.

Noel Gourmelen, da Universidade de Edimburgo, disse: “Encontrámos mudanças subtis em ambos os dados de elevação de superfície do CryoSat e na velocidade de gelo do Sentinel-1, o que mostra que a fusão não é uniforme, mas que se centrou num canal de 5 km de extensão que corre por 60 km ao longo da parte inferior da plataforma.

A plataforma de gelo Dotson a partir do Sentinel-1

Ao contrário das observações mais recentes, pensamos que o canal sob Dotson seja corroído por água morna, cerca de 1°C, enquanto circula sob a placa, agitada no sentido horário e para cima pela rotação da Terra.

Ao revisitar os dados de satélites mais antigos, pensamos que este padrão de derretimento tem ocorrido durante pelo menos os 25 anos que os satélites de observação da Terra registaram mudanças na Antártida.

Com o passar do tempo, o derretimento manteve-se numa ampla parte do canal, até 200 m de profundidade, e 15 km em toda a extensão que corre todo o comprimento da parte inferior da plataforma de gelo Dotson.

Podemos ver que esse desfiladeiro se está a aprofundar em cerca de 7 m por ano, e que o gelo acima está fortemente sulcado.

O derreter da plataforma de gelo de Dotson resulta em 40 mil milhões de toneladas de água doce que são espalhadas no Oceano Antártico todos os anos, e este desfiladeiro por si só é responsável pela libertação de quatro mil milhões de toneladas – uma proporção significativa.

A força de uma plataforma de gelo depende do quão grossa é. Uma vez que as placas já sofrem de desbaste, esses desfiladeiros de aprofundamento significam que as fracturas provavelmente se desenvolverão e o gelo aterrado rio acima irá fluir mais rápido do que seria o caso de outra forma.

É a primeira vez que conseguimos ver este processo em construção e agora expandiremos a nossa área de interesse para as placas em toda a Antártida, para ver como estas estão a responder. Não poderíamos fazer isso sem o CryoSat e as missões Copernicus Sentinel da Comissão Europeia”, acrescentou o Dr. Gourmelen.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Deixe um comentário