Remanescentes de uma mega inundação em Marte



A sonda Mars Express da ESA capturou imagens de uma das maiores redes de canais de escoamento do Planeta Vermelho.

O sistema de canais Kasei Valles estende-se por cerca de 3000 km da sua região de origem em Echus Chasma – que fica a leste da região vulcânica Tharsis e ao norte do sistema de desfiladeiros Valles Marineris – até à sua foz nas vastas planícies de Chryse Planitia.

Uma combinação de vulcanismo, tectónica, colapso e subsidência na região de Tharsis levou a várias descargas maciças de água subterrânea de Echus Chasma, que posteriormente inundou a região de Kasei Valles cerca de 3,6 a 3,4 mil milhões de anos atrás. Estas mega-inundações antigas deixaram a sua marca nos elementos observados hoje.

Algumas secções de Kasei Vallesforam fotografadas pela Mars Express durante os seus 14 anos no Planeta Vermelho, mas esta nova imagem, obtida a 25 de maio de 2016, captura uma porção directamente na sua foz.

Uma cratera de impacto de 25 km de largura – Cratera de Worcester – à esquerda do centro da imagem a cores principal, tem feito o seu melhor para enfrentar as forças erosivas das mega-inundações.

Embora grande parte do manto de material em torno da cratera – que foi originalmente lançado para fora do interior da cratera durante o impacto – foi corroída, a secção a jusante da inundação sobreviveu. Com o passar do tempo, isso levou à aparência geral de uma simples ilha, com a sua topografia escalonada a jusante, sugerindo talvez variações nos níveis de água ou diferentes episódios de inundação.

Em contraste, a manta de detritos que rodeia a cratera adjacente permaneceu intacta. Isso sugere que o impacto produzido pela cratera ocorreu após a grande inundação.

Além disso, a aparência da camada de detritos conta uma história sobre a natureza da subsuperfície: neste caso, aponta para a planície de inundação como sendo rica em água ou água com gelo. Na verdade, o padrão é uma reminiscência de um “salpico”: os detritos ejectados da cratera eram ricos em água, permitindo-lhes fluir mais facilmente. À medida que abrandavam, os detritos que ficavam para atrás amontoavam-se, empurrando para cima o material da sua periferia, numa espécie de antemuro.

A vista em perspectiva mostra um ‘close-up’ deste antemuro que se observa desde a cratera associada até à cratera Worcester erodida no fundo.

A grande cratera na parte mais setentrional (direita, parte superior) da imagem não parece ter penetrado tão profundamente quanto a cratera de Worcester e a sua vizinha. Na realidade, localiza-se num planalto de pelo menos 1 km mais acima do que as planícies abaixo.

No entanto, há uma pequena depressão no centro da cratera, que geralmente sugere uma camada mais fraca – como gelo – que ficou enterrada por baixo no momento do impacto.

Uma análise mais próxima revela também o leve contorno da camada de detritos da cratera, incluindo uma porção que se espalhou sobre as planícies abaixo.

A camada de detritos mostra um interessante padrão estriado que as outras crateras nesta imagem parecem não conter. Isto sugere uma diferença na natureza do próprio impacto, talvez com a energia transmitida durante o impacto, a maneira como os detritos foram armazenados da cratera, ou na composição do material do planalto.

Pequenos canais dendríticos podem ser observados por todo o planalto, o que talvez sugira as diferentes magnitudes de inundação durante numerosos episódios de inundações.

Também se pode encontrar uma série de crateras menores nas planícies. Estas parecem ter “caudas” de cor mais clara apontando na direcção oposta ao fluxo de água que vem de Kasei Valles.

Estas crateras foram formadas por impactos que ocorreram após a inundação catastrófica, as suas caudas delicadas criadas por ventos soprando do ocidente pelo vale acima. Os seus rebordos elevados influenciaram o fluxo do vento sobre a cratera de tal modo, que a poeira imediatamente ‘atrás’ da cratera permanece inalterada em comparação com as planícies circundantes, mais expostas.

Este cenário, portanto, preserva um registro da actividade geológica que abrange mil milhões de anos da história do Planeta Vermelho.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  

Deixe um comentário