Relatório de Missão nº 15 – Solar Dynamics Observatory



 

A acoplagem entre o estágio Centaur e o estágio Atlas foi adiada vários dias antes das férias do Natal devido ao ventos fortes, levando a que fosse gasto mais tempo do que os dias de contingência disponíveis. Como resultado o lançamento do Solar Dynamics Observatory (SDO) foi adiado para 9 de Fevereiro se o vaivém espacial Endeavour for lançado como previsto a 7 de Fevereiro. Os trabalhos de processamento continuam a decorrer a bom ritmo tanto para o foguetão Atlas-V como para o SDO.

No Complexo de Lançamento 41 continuam os testes integrados dos estágios Atlas e Centaur. A 20 de Janeiro o foguetão lançador será transportado do edifício de integração vertical VIF (Vertical Integration Facility) para a plataforma de lançamento em preparação para a o ensaio da contagem decrescente com o abastecimento do lançador que será levado a cabo nesse dia. Esta será uma simulação total com toda a equipa de controlo do lançamento e com o foguetão totalmente abastecido com hidrogénio líquido, oxigénio líquido e RP-1 (hidrazina altamente refinada). A carga a ser colocada em órbita não participa neste ensaio.

Nas instalações Astrotech decorrem esta semana as operações de abastecimento do obsercatório. O oxidante doi abastecido no satélite a 5 de Janeiro e o combustível foi abastecido a 8 de Janeiro. A carenagem do Atlas-V está prevista para ser instalada em torno da SDO a 21 de Janeiro e depois será transportada para o complexo de lançamento para ser colocada no topo do lançador a 26 de Janeiro.

A Solar Dynamics Observatory irá ser lançada por um foguetão Atlas-V/401 a partir do Complexo de Lançamento SLC-41 do Cabo Canaveral AFS no dia 3 de Fevereiro de 2010 ás 1453UTC.

A SDO tem como missão ajudar-nos a melhor compreender a influência do Sol na Terra e no espaço próximo do nosso planeta ao estudar a atmosfera solar em pequenas escalas de tempo e espaço e em muitos comprimentos de onda de forma simultânea.

Nas imagens vêm-se os técnicos de abastecimento da Boeing a obter amostras do propolente monometil hidrazina que será abastecida na SDO que se encontra por baixo de uma cobertura de protecção. Esta recolha de amostra serve para testar a pureza do combustível antes do processo de abastecimento. Os técnicos estão a envergar fatos especiais de protecção SCAPE (Self-Contained Atmospheric Protective Ensemble) como uma medida de protecção para o caso da ocorrência de alguma fuga de combustível.

Imagens: NASA

Deixe um comentário