Primeiros passos: o regresso da humanidade à Lua



No primeiro acto de exploração lunar, Neil Armstrong e Buzz Aldrin foram personagens principais. Ao estabelecer o seu ponto turístico na Lua, a ESA espera trazer muitos outros atores para este palco fora do mundo.

Ao testar o mercado de serviços de transporte para a Lua, a ESA pretende impulsionar os limites da tecnologia e criar novos modelos de negócios espaciais.

Aterrar na Lua foi um momento extraordinário na história humana. Oito curtos anos e enormes recursos levaram a humanidade à superfície lunar, inicialmente por menos de um dia. Aqueles pequenos passos para a humanidade e as missões que se seguiram, ensinaram-nos muito sobre a Lua, a nossa cápsula do tempo cósmico. Mas os humanos não retornaram desde que Apollo 17 partiu em 1972.

A tecnologia de hoje pode facilmente levar-nos de volta à Lua, mas ainda é caro desenvolver a viagem e levar connosco tudo o que é necessário para sustentar a vida. A ESA quer que o nosso retorno à Lua seja sustentável e com base em parcerias – não só com agências espaciais internacionais, mas também com empresas. Uma abordagem comercial pode ser apenas o bilhete – literal e figurativamente – para que isso aconteça.

Ao invés de desenvolver uma missão completa de módulos de aterragem a partir do zero – um processo longo e dispendioso – a ESA quer comprar uma plataforma comercial para levar os nossos preciosos equipamentos de pesquisa, com segurança, para a superfície. Uma vez lá, estamos prontos para pagar as “tarifas de roaming” para conversar com o nosso equipamento.

Mas para que o nosso retorno à Lua seja verdadeiramente sustentável, devemos usar os recursos lunares. Então, além de transporte e comunicação, procuramos investir no desenvolvimento e pagar pelo uso da tecnologia que pode transformar o material lunar indígena em oxigénio e água, recursos críticos para sustentar as futuras operações humanas no espaço profundo.

Por quê a ênfase na sustentabilidade? Se a experiência comprovada fosse a única definição de exploração, então, estabelecer bases somente em partes mais remotas do nosso Sistema Solar faria sentido. Mas enquanto aprendemos muito sobre a Lua com Apollo, apenas arranhámos, literalmente, a superfície do oitavo continente da Terra.

Os satélites que orbitam a Lua já revelaram a presença de oxigénio e água na forma de gelo. Estes são recursos potencialmente utilizáveis para o nosso futuro espacial.

Moldar o próximo acto

A ESA está a convidar os provedores de serviços com ideias adequadas, a participar de um estudo de um ano que moldará esta Missão de Demonstração de Utilização de Recursos In Situ. Queremos ouvir o que os parceiros comerciais precisam de nós e partilhar o que esperamos deles.

Juntos, queremos explorar o que significaria fazer da exploração lunar um empreendimento viável, competitivo e, o mais importante, sustentável.

Queremos voltar à Lua para decifrar os seus mistérios e usá-la como um trampolim para o futuro da humanidade no espaço profundo. Se é uma empresa comercial pronta para enfrentar o desafio e construir sobre o legado de Neil e Buzz, então queremos ouvi-lo.

Encontre mais informações e detalhes sobre como enviar propostas aqui e candidate-se aqui.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário