Primeiras imagens do Sentinel-2B enviadas por laser



Com o satélite Sentinel-2B perto do início da sua vida útil em órbita, este último satélite Copernicus ligou-se ao Alphasat por laser, através de quase 36 000 km no espaço, para enviar imagens da Terra momentos depois de serem obtidas.

O teste, que foi feito como parte do comissionamento do Sentinel-2B, incluiu a captura de uma faixa de imagens da Europa até ao norte de África, e a retransmissão dos dados em apenas seis minutos.

Esta conquista não é apenas graças à tecnologia laser de ponta, mas também ao poder das parcerias da ESA com as indústrias espaciais e a União Europeia.

Após o seu lançamento no dia 7 de Março, o Sentinel-2B deverá ser comissionado a 15 de Junho. Junta-se ao seu gémeo, Sentinel-2A, que já fornece uma grande quantidade de imagens de alta resolução para o programa de monitorização ambiental Copernicus da União Europeia.

A missão do Sentinel-2 não só fornece informações para melhorar as práticas agrícolas e mudanças de mapa na cobertura terrestre, mas também ajuda a monitorizar as florestas do mundo, detecta poluição em lagos e águas costeiras e contribui para a cartografia de desastres. Muitas dessas aplicações dependem da imagem da mesma área em rápida sucessão.

Os dois satélites Copernicus Sentinel-2 circulam em lados opostos da Terra. Com cada um fornecendo uma faixa 290 km de largura, juntos podem retratar o globo a cada cinco dias e a Europa a cada dois a três dias.

Às vezes, no entanto, as informações são necessárias de forma mais rápida, ou mesmo de forma contínua, e é aqui que os lasers dos satélites entram, complementando a rede da estação terrestre padrão.

Orbitando de polo a polo, quase 800 km acima, os satélites Sentinel-2 transmitem dados para a Terra rotineiramente, mas apenas quando passam sobre as suas estações terrestres na Europa.

Contudo, os satélites geoestacionários, que pairam 36 000 km acima da Terra, têm as suas estações terrestres em vista permanente, para que possam transmitir grandes volumes de dados para a Terra de forma imediata.

Os satélites Sentinel-2 estão equipados com terminais para transmitir dados por laser para satélites em órbita geoestacionária, como o Alphasat e o European Data Relay System (EDRS). Esses satélites transmitem, então, os dados do Sentinel-2 para o solo.

Os satélites Copernicus Sentinel-1 também possuem o mesmo equipamento.

Eric Monjoux, Diretor do Segmento Terrestre de Copernicus da ESA, disse: “O EDRS já aumentou enormemente a entrega dos dados do Sentinel-1 e, em breve, esperamos ver os mesmos benefícios para os dados do Sentinel-2.”

Além de ser uma conquista tecnológica notável, este novo sistema também se deve à parceria público-privada entre a ESA e a indústria.

Este último teste abre caminho para oportunidades ainda maiores para a União Europeia, o cliente âncora da EDRS, ter acesso a grandes volumes de dados, de forma extremamente rápida, para serviços que melhoram a vida diária e protegem o meio ambiente.

O Diretor do sistema Sentinel-2 da ESA, Omar Sy, disse: “A ligação laser é um pouco como uma fibra ótica no céu, que pode conectar os satélites Sentinel-2 de volta à Europa através de satélites geoestacionários.

O teste, que é graças à cooperação entre equipas da ESA, o Centro Alemão de Operações Espaciais em Oberpfaffenhofen, Tesat, Airbus e Inmarsat, mostrou que tudo está a funcionar corretamente.

Isto significa que, assim que o comissionamento termine, o Sentinel-2B poderá retransmitir uma grande quantidade de dados em questão de momentos através do ‘SpaceDataHighway’ da EDRS, que é a primeira rede de comunicação por satélite óptica do mundo em órbita geoestacionária.”

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Deixe um comentário