Primeiras imagens de Marte revelam potencial para a nova sonda da ESA



mars-1

A nova sonda ExoMars da ESA testou a sua série de instrumentos em órbita pela primeira vez, sugerindo um grande potencial para futuras observações.

A ‘Trace Gas Orbiter‘, ou TGO, um esforço conjunto entre a ESA e Roscosmos, chegou a Marte a 19 de Outubro. A sua órbita elíptica leva-a de 230-310 km acima da superfície para cerca de 98 000 km a cada 4,2 dias.

Passou as duas últimas órbitas, entre 20-28 de Novembro, a testar os seus quatro instrumentos científicos pela primeira vez desde a chegada, e a fazer importantes medições de calibração.

Os dados da primeira órbita foram disponibilizados para esta publicação para ilustrar a gama de observações esperadas assim que a sonda chegue à sua órbita quase circular de 400 km de altitude no final do próximo ano.

O objectivo principal da TGO é fazer um inventário detalhado de gases raros que compõem menos de 1% do volume da atmosfera, incluindo metano, vapor de água, dióxido de azoto e acetileno.

Primeiro olhar para a atmosfera

De grande interesse é o metano, que na Terra é produzido principalmente pela actividade biológica e, em menor extensão, por processos geológicos, como algumas reacções hidrotermais.

Os dois instrumentos encarregados deste papel já demonstraram que podem precisar espectros altamente sensíveis da atmosfera. Durante as observações-teste da semana passada, a Atmospheric Chemistry Suite‘ focou no dióxido de carbono, que compõe um grande volume da atmosfera do planeta, enquanto o instrumento Nadir e Occultation da Mars Discovery’ mantiveram-se na água.

Também coordenaram observações com o ‘Mars Express‘ da ESA e o ‘Mars Reconnaissance Orbiter‘ da NASA, como farão no futuro.

Medições complementares pelo detector de neutrões da sonda, FREND, medirão o fluxo de neutrões da superfície do planeta. Criado pelo impacto dos raios cósmicos, a forma como são emitidos e a sua velocidade ao chegar ao TGO aponta para a composição da camada superficial, em particular para a água ou o gelo logo abaixo da superfície.

O instrumento foi activado em várias ocasiões durante a viagem a Marte e em ocasiões recentes, ao voar perto da superfície, foi capaz de identificar a diferença relativa entre as regiões conhecidas de mais alto e mais baixo fluxo de neutrões, embora levará vários meses para produzir resultados estatisticamente significativos.

Primeira detecção de dióxido de carbono atmosférico

Da mesma forma, o instrumento mostrou um claro aumento na detecção de neutrões quando perto de Marte em comparação quando se encontrava mais longe.

Também foram demonstradas as diferentes capacidades do Sistema de Imagem em Superfície Estéreo e Cor, com 11 imagens capturadas durante a primeira aproximação a 22 de Novembro.

Na abordagem mais próxima, a nave espacial encontrava-se a 235 quilómetros da superfície, e voou sobre a região de Hebes Chasma, a norte do sistema do desfiladeiro de Valles Marineris. Estas são algumas das imagens mais próximas que jamais serão obtidas do planeta pela TGO, dado que a órbita final da sonda estará a cerca de 400 km de altitude.

Primeira reconstrução estéreo pela ExoMars

A equipa de câmara também completou um primeiro teste rápido para produzir uma reconstrução 3D de uma região em Noctis Labyrinthus, a partir de um par de imagens estéreo.

Embora as imagens sejam impressionantemente nítidas, os dados colectados durante este período de teste ajudarão a melhorar o programa informático a bordo da câmara, bem como a qualidade das imagens após o processamento.

Primeiras medições de fluxo de neutrões

Estamos extremamente felizes e orgulhosos de ver que todos os instrumentos estão a funcionar tão bem no ambiente de Marte, e esta primeira impressão dá uma prévia fantástica do que está por vir quando começarmos a colectar os verdadeiros dados no final do próximo ano“, diz Håkan Svedhem, cientista do projecto TGO da ESA.

Não só a sonda está claramente a funcionar bem, mas estou encantado de ver as várias equipas a trabalhar em conjunto tão eficazmente, a fim de nos dar essa percepção impressionante.

Identificámos áreas que podem ser ajustadas bem antes da missão científica principal, e estamos ansiosos para ver o que esta surpreendente órbita científica fará no futuro.”

 
Notícia e imagens: ESA
 
Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Deixe um comentário