Paolo Nespoli regressa à Terra



O astronauta da ESA, Paolo Nespoli, regressou à Terra no início da manhã do dia 15 de Dezembro de 2017, após 139 dias no espaço. O regresso a casa, da Estação Espacial Internacional, exigiu a travagem de 28 800 km/h até à imobilização total em apenas três horas.

Paolo e os seus companheiros de equipa, Randy Bresnik da NASA e Sergei Ryazansky da Roscosmos, aterraram nas estepes do Cazaquistão às 08:37 GMT.

A nave espacial Soyuz MS-05 suportou as pressões de descida e aterragem conforme planeado: o escudo térmico atingiu 1600°C durante a reentrada na atmosfera, à medida que os astronautas suportaram até quatro vezes o próprio peso corporal.

 

A 10 km de altura, os para-quedas abriram antes dos retro-foguetões proporcionarem os medidores de travagem finais antes da aterragem.

A chamada aterragem suave parece uma colisão frontal entre um caminhão e um carro pequeno – e você está no carro pequeno”, lembra Paolo a propósito da sua aterragem em 2011.

Durante a sua missão de cinco meses, Paolo orbitou a Terra 2224 vezes, voou através de 35 000 nasceres e pores do sol e percorreu 94 milhões de quilómetros.

Esta foi a terceira missão de Paolo e a terceira visita à Estação Espacial, perfazendo o seu tempo total no espaço de 313 dias, o segundo mais longo para um astronauta da ESA, depois de Thomas Reiter.

O regresso à vida terrestre

Paolo completou mais de 60 experiências durante sua missão Vita, que significa Vitalidade, Inovação, Tecnologia e Habilidade.

O seu próprio corpo foi uma arena para pesquisa: os seus olhos, dores de cabeça, padrões de sono e hábitos alimentares foram monitorizados para aprender mais sobre como os seres humanos se adaptam à vida no espaço.

Registos de temperatura, exercícios musculares e muitas amostras de sangue e saliva irão contribuir para o panorama e preparar humanos para missões mais longe da Terra.

A cerca de 400 km acima do planeta, instruiu um robô humanóide, na Alemanha, para reparar três painéis solares danificados num terreno simulado de Marte, mostrando como astronautas e robôs trabalharão juntos em futuras missões planetárias.

A vida no espaço poderia ser mais fácil graças a tablets e telefones inteligentes – Paolo testou um sistema mãos-livres que exibe instruções durante tarefas complexas.

Houve muito trânsito durante a missão Vita: Paolo recebeu quatro veículos visitantes e viu três partirem da estação. Participou em dois acoplamentos usando o braço robótico da Estação e prestou auxílio em quatro caminhadas espaciais.

A partir de agora, Paolo estará ocupado com reuniões e testes. Os astronautas sofrem uma forma de envelhecimento rápido no espaço e precisam ser readaptados para viver sob a gravidade. Os cientistas investigarão como o seu corpo reage,  como exemplo de um estudo de caso.

O próximo astronauta da ESA a viajar para a Estação será Alexander Gerst, que deverá ser lançado no próximo verão.

 
Notícia e imagens: ESA
Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90
 

Deixe um comentário