Os vulcões mais ativos da Terra vigiados por satélite



colima_volcano_medium

Enquanto centenas fogem da lava e cinzas expelidos a partir do vulcão Colima no México, a sua erupção contínua está a ser monitorizada não apenas por instrumentos terrestres, mas também a partir do espaço. Desde o mês passado, Colima é um dos 22 vulcões activos em todo o mundo que estão a ser monitorizados por satélites.

As últimas observações pelos Sentinelas da Europa e pelos satélites US Terra e Landsat são processadas automaticamente para uma rápida entrega dos parâmetros-chave para os investigadores de riscos geológicos.

Dentro da arena de riscos geológicos, este tipo de serviço sistemático é realmente algo novo”, explica Fabrizio Pacini de Terradue, que opera o novo serviço global online ‘Plataforma de Exploração de Riscos Geológicos’ da ESA  (Geohazards Exploitation Platform, ou GEP).

Os investigadores já usam dados de observação da Terra, naturalmente, mas geralmente numa base sob-demanda a partir de um único sensor. Nós fazemos uso de uma gama de sensores para cobrir múltiplos locais numa base contínua.”

O serviço é baseado em cadeias de processamento automatizadas desenvolvidas por parceiros de investigação da GEP, em execução na própria GEP, e seguidamente disponibilizadas através desta plataforma.

Massimo Musacchio, do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (INGV) da Itália, explica: “Estamos a contribuir com um serviço de mapeamento da temperatura de superfície. Usando principalmente dados ópticos de vários satélites, estes revelam anomalias térmicas em torno dos vulcões.”

Executar o nosso algoritmo de processamento na GEP economiza um tempo valioso – não é necessária nenhuma navegação manual, descarga ou de transformação”, acrescenta Fabrizia Buongiorno do INGV. “Dados de séries temporais podem ser rapidamente extraídos de um único pixel co-registado, para destacar tendências graduais dentro de uma área estreita.”

O segundo, principalmente um serviço de pós-erupção é um mapa do vigor da vegetação, para avaliar a saúde de vida vegetal e agricultura à volta dos vulcões. Desenvolvido por Noveltis (França), este serviço conta com o processamento de imagens ópticas, incluindo dados do Sentinel-2.

A terceira é a monitorização de alterações em alta resolução, desenvolvida pelo DLR Centro Aeroespacial Alemão, com base em imagens radar de séries temporais com 50 m de resolução do Sentinel-1.

As imagens de radar podem ser adquiridas à noite e em condições de nebulosidade, oferecendo uma vantagem significativa para monitorização de vulcões“, diz Virginie Pinel do Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento IRD, França.

As variações entre as imagens podem ser usadas para mapear depósitos eruptivos como lava e depósitos explosivos, sem qualquer necessidade de acessar a área afetada. Conhecer a extensão dos depósitos eruptivos é crucial para avaliar um evento vulcânico e qualquer risco de desmoronamentos posteriores.”

De cerca de 1.500 vulcões terrestres potencialmente ativos, os 22 alvos foram selecionados através de uma combinação de atividade recente e de interesse científico. Eles incluem alguns vulcões que já possuem abundantes infraestruturas de monitorização no solo – incluindo o Vesúvio da Itália, designado um Laboratório Nacional Super-local de Riscos Geológicos permanente  pelo Grupo Internacional de Observação da Terra – bem como outros na América Latina e no Sudeste Asiático, por vezes com menos disponibilidade de dados terrestres.

Estes serviços experimentais foram criados em resposta a um seminário da ESA em 2015, sobre Satélites de Observação da Terra e Redução de Risco de Desastres. Estima-se que mais de 500 milhões de pessoas em todo o mundo estão a viver dentro do alcance de uma potencial exposição a um vulcão.

A GEP é uma das seis Plataformas de Explorações Temáticas desenvolvidas pela ESA para servir as comunidades de utilizadores de dados. Como um novo elemento do segmento terrestre que fornece os resultados via satélite para os usuários, essas plataformas globais fornecem um ambiente on-line para aceder informações, ferramentas de processamento, recursos de computação e ferramentas para a colaboração da comunidade. O objectivo é permitir a extracção fácil de conhecimentos valiosos a partir de vastas quantidades de dados ambientais que agora estão a ser produzidos pelo programa Europeu Copernicus e por outros satélites de observação da Terra.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Português

Tags:  

Deixe um comentário