Os quatro fantásticos a voar



Illustration du vol VA 233 Ariane 5 ES avec les Galileo

Este mês, um único foguetão Ariane 5 está configurado para colocar quatro satélites Galileo em órbita para o primeiro lançamento quádruplo da constelação de navegação. Os controladores da missão estão a treinar intensivamente para a complexa entrega espacial.

A 17 de Novembro, o Ariane 5 utilizará um novo dispensador de carga para libertar, de uma só vez, quatro satélites idênticos em órbita.

Este será o oitavo lançamento de Galileo, e elevará o número de satélites no espaço para 18. Uma vez concluído, o sistema será composto por 24 satélites operacionais e uma rede terrestre para fornecer serviços de posicionamento, navegação e cronometragem.

Até à data, os foguetões Soyuz transportaram dois satélites de cada vez. Este lançamento quádruplo apresenta vários desafios técnicos, incluindo o novo dispensador e a necessidade de estabelecer o controlo sobre quatro satélites independentes quase simultaneamente.

Controlo de missão quatro vezes complexo

A subida para a órbita de média altitude levará três horas e meia. Depois, após a separação dos satélites, uma equipa combinada da ESA e da agência espacial francesa CNES assumirá o comando, controlando-os e guiando-os através das primeiras órbitas, durando nove dias para um par e 13 dias para o outro.

The joint ESA/CNES mission control team works, alternately, from here and from ESOC, in Darmstadt, Germany, to oversee the critical launch and early orbit phase flight control of Galileo satellites.

No momento em que os quatro satélites se separarem dois a dois, teremos dois turnos da equipa de missão que trabalha na sala de controlo no centro do CNES, em Toulouse, França, cada turno a gerenciar dois satélites – por isso será um período intenso,” diz Liviu Stefanov, diretor de co-voo da ESA.

Esta é a mesma equipa que conduziu as fases anteriores da órbita do Galileo, por isso estamos familiarizados com os próprios satélites“, diz Hélène Cottet, directora principal de voo do CNES.

Desta vez a diferença é lançar quatro satélites, às vezes em sequência e às vezes em paralelo. Temos concentrado muito esforço no planeamento e treino para as primeiras horas no espaço.”

Desde 2011, a equipa conjunta realizou as operações iniciais de voo do Galileo alternadamente a partir do centro da ESA em Darmstadt, na Alemanha, e do centro do CNES em Toulouse.

Órbita alvo: 23.200 km 

A separação marcará o início de um conjunto de manobras e actividades críticas para assegurar que os quatro estão prontos para a entrega ao Centro de Controlo Galileo em Oberpfaffenhofen, Alemanha, para o resto da sua missão.

Isso inclui garantir que cada um abriu as suas asas solares e estão em ‘energia positiva’, estabelecendo uma conexão de dados através de um conjunto de estações terrestres, realizando extensas verificações do ‘estado de saúde’ e, em seguida, alterar a aeronave para um modo estável a apontar para a Terra, pronta para as manobras subsequentes.

Cada um deve disparar o motor três vezes, em intervalos de aproximadamente um dia, para chegar às suas órbitas ‘à deriva’, após o qual o controlo será passado da equipa conjunta para o Centro de Controlo Galileo.

Depois de alguns dias, esperamos que as coisas se estabilizem e poderemos concentrar-nos na manobra de dois satélites enquanto cuidamos dos outros dois“, diz Tom Cowell, da ESA, um dos quatro directores de operações espaciais.

Após a entrega do primeiro par para Oberpfaffenhofen, podemos manobrar os outros dois, tal como fizemos para os lançamentos duplos anteriores.”

Mesmo após a entrega, os especialistas continuarão a determinar as órbitas e manobras de computação para posicionar os satélites nas suas órbitas finais, em torno de 23 200 km, previstas para o início de 2017.

Treinar, simular, preparar

Desde o Verão, todos os envolvidos neste lançamento Galileo têm trabalhado através de simulações múltiplas, principalmente focados na preparação para se as coisas derem errado.

Esta semana, o treino terminará com uma intensa simulação ao vivo, de três dias, em Toulouse.

Depois de praticar a contagem decrescente em rede, a 14 de Novembro, a contagem regressiva em rede ao vivo começará cerca de duas horas depois da meia-noite do dia 17 de Novembro, com o lançamento a partir da Base Espacial Europeia em Kourou, na Guiana Francesa, marcado para o mesmo dia às 13:06 GMT (14:06 CET).

Será um desafio, mas tendo já levado 14 satélites Galileo para órbita, as nossas equipas conjuntas estão confiantes das nossas perícias e habilidades“, diz Hervé Côme, director de co-voo da ESA.

Sabemos que podemos confiar no trabalho em equipa e nos conhecimentos especializados, e estamos ansiosos para uma decolagem suave para o primeiro lançamento de um quarteto Galileo“.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário