Os detetives de asteroides regressam ao futuro



Uma cuidadosa pesquisa através de imagens com dezenas de anos permitiu que a equipa de asteróides da ESA decidisse que uma rocha espacial, recentemente descoberta, representa pouca ameaça de atingir a Terra em breve.

Detectar pela primeira vez um asteróide previamente desconhecido levanta sempre a grande pergunta: há um risco de atingir a Terra?

No entanto, após a descoberta, os analistas muitas vezes têm muito pouco para continuar. A imagem inicial do observatório, da equipa de pesquisa ou do astrónomo de quintal que avistou a rocha, geralmente fornece apenas informações básicas – a sua localização no céu e o seu brilho – e às vezes nem são conhecidas com grande precisão.

A informação mais crucial necessária para determinar com qualquer grau de confiança se é um “objecto próximo à Terra” (‘near-Earth object’ – NEO) – e que vai passar ao lado da Terra (ou não) – é o caminho do novo objecto. E determinar isso exige uma série de imagens adquiridas ao longo de um período de dias ou mesmo meses.

Precisamos de várias imagens de acompanhamento para calcular a trajectória e fazer uma estimativa de risco, mas mesmo assim a incerteza pode ser muito grande. Realmente leva muitos meses de observações para obter uma estimativa de risco de impacto boa e confiável e, entretanto, pode haver motivos para nos preocuparmos“, diz Ettore Perozzi, do Centro de Coordenação NEO, na Itália.

Visto do Arizona

Foi exactamente o que aconteceu no dia 19 de Outubro, quando o asteróide 2016 WJ1 foi descoberto pelo ‘Catalina Sky Survey‘.

CFHT 2003 precovery image of 2016 WJ1: the asteroid appears a faint spot between two bright stars
Asteróide 2016 WJ1

Imagens adicionais foram obtidas por observadores em todo o mundo durante as semanas seguintes, incluindo uma equipa que trabalha no próprio observatório da ESA em Tenerife, nas Ilhas Canárias, mas a incerteza do percurso significou uma possível aproximação em Junho de 2065 – com uma preocupante probabilidade de impacto de cerca de 1 em 8000 – não pôde ser excluída.

As imagens adicionais permitiram-nos refinar o nosso conhecimento da trajectória o suficiente para começar a procurar arquivos astronómicos, para ver se alguém já tinha obtido imagens desse asteroide sem o ter reconhecido como tal“, diz Marco Micheli, observador do centro NEO.

Se algo fosse encontrado, a equipa classificaria o que os astrónomos chamam de “precovery” – abreviação de pré-descoberta.

Precovering

A investigação rapidamente deu frutos: imagens encontradas on-line a partir da pesquisa Pan-STARRS realizada no início de Outubro mostrou o que poderia ser o asteróide-alvo.

Embora estas fossem inconclusivas, a equipa assumiu que eram, de fato, precisas e, em seguida, usadas para buscar imagens adicionais, altamente precisas de um sistema de busca de imagens astronómicas canadiano.

On 11 October 2015, just 12 hours after its discovery, WT1190F was first confirmed by ESA’s NEO Coordination Centre using observations from the Agency’s Optical Ground Station, Tenerife, Spain
Observatório da ESA

Bingo: foram encontrados dois conjuntos de imagens de 4 e 5 de Julho de 2003 com o Telescópio Canadá-França-Havai.

Após uma inspecção cuidadosa, fomos capazes de identificar o objecto, e a equipa foi capaz de realizar algumas determinações muito precisas“, diz Detlef Koschny, responsável pela parte NEO do programa Conhecimento da Situação do Espaço da ESA.

O resultado foi que poderíamos evitar qualquer risco de impacto na Terra do asteróide 2016 WJ1 em breve ou no futuro“.

A ESA está agora a desenvolver um novo conjunto de telescópios automatizados, de campo amplo de visão ‘Fly-Eye‘, que irá realizar pesquisas nocturnas do céu, criando um grande arquivo futuro de imagens que irá fazer confirmações ‘precovery‘ críticas mais eficientes no futuro.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  

Deixe um comentário