Os altos e baixos do ozono



Os cientistas do clima, que estudam três décadas de medições de ozono a partir de sete satélites, vêem uma tendência positiva na recuperação global, graças aos esforços internacionais para reduzir as substâncias que destroem o ozono.

A parte da atmosfera terrestre com altas concentrações do gás ozono protege a vida na Terra da radiação ultravioleta do Sol. No entanto, os poluentes podem romper o ozono, diminuindo essa camada e criando o infame buraco de ozono.

A diminuição da camada de ozono na nossa atmosfera e o subsequente aumento da exposição ultravioleta causam cancro da pele, cataratas e danos no sistema imunológico em humanos e prejudicam animais, plantas e até mesmo o fitoplâncton microscópico.

A partir da década de 1970, o ozono na estratosfera – cerca de 11-50 km acima da superfície da Terra – começou a diminuir em todo o mundo. A maior queda foi na estratosfera superior, cerca de 4-8% por década.

Veja o vídeo

A tendência foi interrompida na sequência de acordos internacionais sobre a redução de substâncias que destroem a camada de ozono, e os primeiros sinais da sua recuperação foram observados pelos satélites.

Os satélites oferecem boa cobertura, mas operam durante um número limitado de anos. Enquanto isso, os cientistas do clima necessitam leituras de 30 anos ou mais para analisar as tendências com precisão.

O ozono, em particular, varia de acordo com a estação ou a actividade solar, por isso, são necessárias décadas para separar essa variabilidade natural das alterações influenciadas pelo ser humano.

Para enfrentar isso, os cientistas que trabalham no âmbito da Iniciativa de Mudanças Climáticas da ESA, estão a conciliar medições de diferentes satélites para nos dar uma visão, a longo prazo, sobre a variabilidade do ozono.

As leituras datam de 1995 para “colunas totais”, o que significa que mostram o ozono total de todas as camadas da atmosfera – e para 2001 para perfis de ozono com alta resolução vertical, o que significa que as camadas separadas podem ser identificadas.

O registo depende de cinco sensores de satélite, que fornecem medições com alta resolução vertical. Estas incluem as da missão anterior do Envisat da ESA, juntamente com as informações actuais do SciSat do Canadá e do Odin da Suécia.

Num novo desenvolvimento, as medições do Satélite de Orçamento de Radiação Terrestre da NASA e do satélite Suomi NPP foram cruzadas, ampliando a cobertura até 1984.

Ao reunir os dados da Iniciativa de Mudanças Climáticas com os da NASA, vemos claramente as tendências negativas do ozono na atmosfera superior antes de 1997 e as tendências positivas depois”, conclui Viktoria Sofieva, Investigadora Sénior do Instituto Meteorológico da Finlândia.

As tendências estratosféricas superiores acima dos trópicos são estatisticamente significativas e indicam o início da recuperação do ozono.”

As medições do ozono, com alta resolução vertical, são essenciais para identificar essas tendências de ozono. A futura missão Altius, para a iniciativa Observação da Terra da ESA, fornecerá medições contínuas para a monitorização climática a longo prazo.

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  

Deixe um comentário