O desmoronamento de um penhasco revela o interior do cometa



Os cientistas da Rosetta estabeleceram o primeiro elo irrefutável entre uma explosão de poeira e gás e o colapso de um penhasco proeminente, que também expôs o interior primitivo e gelado do cometa.

Durante a missão de dois anos da Rosetta no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, foram observadas explosões repentinas e de curta duração. Embora o ‘gatilho’ exacto tenha sido muito debatido, as explosões parecem apontar ao colapso de superfícies fracas e erodidas, com a exposição súbita e o aquecimento de material volátil provavelmente a desempenhar um papel.

Num estudo publicado hoje na Nature Astronomy, os cientistas fazem a primeira ligação definitiva entre uma explosão e um desmoronamento de um penhasco, que está a ajudar-nos a entender as forças motrizes por trás desses eventos.

Colapso de um penhasco do cometa: antes e depois

As primeiras imagens de perto do cometa, obtidas em Setembro de 2014, revelaram uma fractura de 70 m de comprimento e 1 m de largura na borda do proeminente penhasco, posteriormente chamado Aswan, na região de Seth do cometa, localizado no seu grande lobo.

Ao longo do ano seguinte, à medida que o cometa se aproximava cada vez mais do Sol ao longo da sua órbita, a velocidade com que o gelo enterrado se transformava em vapor e arrastava poeira para o espaço, aumentou ao longo do caminho. Libertações de poeira e gás a alta velocidade, esporádicas e breves, marcaram essa actividade de fundo com explosões.

Uma dessas explosões foi capturada pela câmara de navegação da Rosetta, no dia 10 de Julho de 2015, a qual podia ser retraçada até uma parte da superfície do cometa que abrangia a região de Seth.

Evolução do colapso de um penhasco do cometa

A próxima vez que o penhasco de Aswan foi observado, cinco dias mais tarde, foi avistada uma aresta brilhante e afiada onde a fractura tinha sido previamente identificada, juntamente com muitos pedregulhos novos de cerca de 1 m, na base do penhasco de 134 m de altura.

A última vez que vimos a fractura intacta foi a 4 de Julho e, na ausência de quaisquer outros eventos de explosão registrados no período de dez dias, esta é a evidência mais convincente de que a explosão observada estava directamente ligada ao colapso do penhasco”, diz Maurizio Pajola, líder do estudo.

O evento também proporcionou uma oportunidade única para estudar como o gelo primitivo, que de outra forma continuaria enterrado dezenas de metros dentro do cometa, evoluiu à medida que o material exposto se transformou em vapor nos meses seguintes.

Detritos caídos do penhasco

De fato, após o evento, a face exposta do penhasco foi calculada como sendo pelo menos seis vezes mais brilhante do que a superfície média total do núcleo do cometa. Até 26 de Dezembro de 2015, o brilho tinha desvanecido para metade, sugerindo que grande parte do gelo já tinha evaporado até então.

E a 6 de agosto de 2016, a maior parte da face do novo penhasco tinha voltado à cor média, com apenas um bloco maior e mais brilhante remanescente.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Deixe um comentário