O CryoSat revela a Antártida em 3D



Cerca de 250 milhões de medições obtidas pelo CryoSat da ESA, nos últimos seis anos, têm sido utilizadas para criar uma visão única em 3D da Antártida, oferecendo um retrato da superfície ondulante desta vasta camada de gelo.

O altímetro de radar do CryoSat detecta pequenas variações na altura do gelo em todo o continente, incluindo nas margens continentais mais íngremes, onde ocorre a grande maioria das perdas de gelo.

Mais importante, a órbita do satélite leva-o a latitudes dentro de 200 km dos polos norte e sul – mais perto do que outros satélites de observação da Terra.

Naturalmente, a missão também é usada para mapear mudanças na espessura de gelo flutuando nos oceanos polares, o que é particularmente importante para o Ártico.

Este novo “modelo de elevação digital” foi revelado na reunião desta semana dos cientistas do CryoSat em Banff, Canadá.

Tom Slater, investigador do Centro Britânico de Observação e Modelagem Polares (CPOM), disse: “Utilizámos cerca de 250 milhões de medições feitas pelo CryoSat entre 2010 e 2016 para criar a imagem mais abrangente da elevação do gelo na Antártida actualmente disponível.”

Oferece uma ampla gama de aplicações – mostrar a superfície da Antártica em tal detalhe significa que o satélite pode ser usado em qualquer coisa desde o planeamento do trabalho de campo até à modelagem da camada de gelo.

Altura do gelo

Também permite aos cientistas distinguir entre mudanças na topografia e movimento de gelo ao trabalhar com outras medições por satélite, tais como aquelas utilizadas para calcular o equilíbrio entre o quanto a camada de gelo está a ganhar por acumulação de neve e a perder através da fusão e criação de icebergs.

O modelo estará em breve disponível, de forma gratuita, no portal CPOM, que já fornece informações sobre o volume e a espessura do gelo marinho, a velocidade do gelo e, em breve, os lençóis de gelo. Entretanto, não obstante, o modelo pode ser transferido aqui.

O director do CPOM, Andrew Shepherd, acrescentou: “Queremos que o modelo de elevação digital esteja acessível a qualquer pessoa que utilize medidas de topografia de superfície de gelo no seu trabalho.

Isso deverá beneficiar não só os estudos da camada de gelo da Antártida, mas também as projecções futuras da elevação do nível do mar.”

O director de missão do CryoSat da ESA, Tommaso Parrinello, disse: “Estamos a ouvir alguns dos excelentes resultados da nossa missão na reunião aqui em Banff.

É agora amplamente reconhecido que a diminuição do gelo polar é uma das primeiras vítimas da mudança climática, mas é importante fornecer os fatos concretos – e isso podemos fazer com o CryoSat.

É igualmente importante certificar que os dados do satélite estão correctos e por isso temos uma enorme campanha de campo internacional, que iniciou recentemente no Ártico, para averiguar os fatos através de medições obtidas por aeronaves e no gelo para comparação com as do CryoSat. É um ambiente difícil – por isso desejamos-lhes muita sorte.”

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário