Metano e dióxido de carbono em ascensão



Methane_increase_node_full_image_2 1

Leituras de satélite mostram que o metano e dióxido de carbono atmosféricos continuam a aumentar apesar dos esforços globais para reduzir as suas emissões.

As concentrações de metano mantiveram-se mais ou menos constantes até 2007, mas desde então aumentaram cerca de 0.3% por ano, enquanto os níveis de dióxido de carbono continuam a aumentar cerca de 0.5% por ano.

Os resultados, apresentados esta semana no ʽLiving Planet Symposiumʼ (Simpósio do Planeta Vivo) em Praga, combinam dados do satélite veterano da ESA ʽEnvisatʼ e da missão Japonesa ʽGoSatʼ.

A razão para este aumento recente de metano não está totalmente compreendido, mas os cientistas atribuem-no a várias origens, tais como, a agricultura e aos combustíveis fósseis.

Os dados mostram também flutuações sazonais, assim como elevadas concentrações de metano na Índia e na China durante Agosto e Setembro. Isto deve-se ao fato dos pântanos e dos arrozais serem uma das principais fontes de emissão de metano, e das emissões serem maiores se o clima for quente e húmido.

Outras regiões, tais como os EUA e algumas partes da Rússia experienciam alterações sazonais similares.

O dióxido de carbono apresenta flutuações sazonais semelhantes, embora com concentrações máximas no início da estação em latitudes setentrionais. Isto deve-se à captação e libertação regular de dióxido de carbono pelo crescimento e decomposição da vegetação terrestre: fotossíntese, respiração e decomposição de matéria orgânica.

Em termos gerais, o dióxido de carbono tem apresentado um aumento constante durante a última década apesar dos esforços globais para reduzir a sua emissão.

Atualmente, as plantas captam cerca de 25% do dióxido de carbono que emitimos e, sem isto, os níveis de dióxido de carbono atmosférico e as consequências relacionadas seriam muito maiores,” afirmou Michael Buchwitz do Instituto de Física Ambiental, Universidade de Bremen, na Alemanha.

No entanto, não sabemos como irão responder as plantas a uma mudança climática. O nosso conhecimento da ­ʽbacia de carbono terrestreʼ é limitado. Um dos objectivos das observações de dióxido de carbono pelo satélite é fechar lacunas de conhecimentos relacionados, os quais irão melhorar as previsões climáticas.”

A próxima missão do Sentinel˗5P para o programa europeu Copernicus está configurada para continuar a recolher dados sobre o metano e outros componentes de química atmosférica através da digitalização diária de todo o globo.

Para o futuro, o Sentinel˗5P será muito importante, em particular, por causa das suas observações muito densas e de alta resolução do metano atmosférico, as quais têm o potencial de detetar e quantificar as emissões de importantes ­ʽhot spotsʼ de emissão de metano, tais como campos de petróleo e gás,” apontou Michael Buchwitz, o qual lidera também o projecto Gases de Estufa, sob a Iniciativa de Alterações Climáticas da ESA.

O objectivo do projecto é gerar produtos de dióxido de carbono atmosférico global e de metano a partir de dados do satélite, os quais são usados em combinação com modelos computacionais para obter informações sobre fontes e bacias regionais de dióxido de carbono e metano.

Os produtos de dados atmosféricos cobrem 2003˗14 e estão disponíveis em  http://www.esa-ghg-cci.org/.

Notícia e imagem: ESA

Tags:  

Deixe um comentário