Local da colisão do Schiaparelli a cores



schiaparelli_in_colour_node_full_image_2

Novas imagens de alta resolução obtidas pela sonda da NASA mostram partes do módulo ExoMars Schiaparelli e o seu local da aterragem a cores no Planeta Vermelho.

Schiaparelli chegou à região de Meridiani Planum em Marte a 19 de Outubro, enquanto a sua nave-mãe começou a orbitar o planeta. O ‘Trace Gas Orbiter’ fará as suas primeiras observações científicas durante dois dos seus circuitos altamente elípticos em torno de Marte – correspondendo a oito dias – a partir de 20 de Novembro, incluindo as suas primeiras imagens do planeta desde a sua chegada.

A nova imagem de Schiaparelli e os seus componentes foi tirada pelo ‘Mars Reconnaissance Orbiter’ (MRO) da NASA, a 1 de Novembro. O local de impacto principal é agora capturado na porção central da faixa que é fotografada pela câmara de alta resolução através de três filtros, permitindo que uma imagem colorida seja construída.

Além disso, a imagem de 1 de Novembro foi tirada olhando ligeiramente para o oeste, enquanto a imagem anterior estava a olhar para o leste, proporcionando uma geometria de visualização contrastante.

Na verdade, o mais recente conjunto de imagens lança nova luz sobre alguns dos detalhes que só poderiam ser especulados a partir da primeira observação da semana passada.

Por exemplo, uma série de manchas brancas brilhantes em torno da região escura, interpretadas como o local de impacto, são confirmadas como oobjectos reais – não são susceptíveis de ser ‘ruído’ na imagem – e, portanto, são provavelmente fragmentos de Schiaparelli.

Curiosamente, uma característica brilhante pode ser vislumbrada apenas no lugar onde a cratera escura foi identificado na imagem da semana passada. Isso pode estar associado com o módulo, mas as imagens até agora não são conclusivas.

Um fragmento indistinto brilhante revelado na imagem colorida, ao lado das faixas escuras a oeste da cratera, poderia ser material de superfície perturbado no impacto ou de uma explosão subsequente ou descompressão explosiva dos tanques de combustível do módulo, por exemplo.

A cerca de 0.9 km a sul, o pára-quedas e escudo térmico traseiro também foram agora retratados a cores. No tempo que decorreu desde a última imagem tirada a 25 de Outubro, o esboço do pára-quedas mudou. A explicação mais lógica é que tenha sido deslocado pelo vento, neste caso ligeiramente para oeste. Este fenómeno também foi observado pelo MRO em imagens do pára-quedas usado pelo rover Curiosity da NASA.

Uma reconstrução estéreo desta imagem poderá também ajudar, no futuro, a confirmar a orientação do escudo térmico traseiro. O padrão de manchas brilhantes e escuras sugerem que se encontra posicionado de tal forma que vemos a parte externa do escudo térmico e a assinatura da maneira em que a camada externa de isolamento se queimou nalgumas partes e noutras não – como esperado.

Finalmente, o escudo térmico frontal foi fotografado novamente a preto e branco – a sua localização fica fora da região a cores visualizada pelo MRO – e não apresenta alterações. Devido à geometria de visualização diferente entre os dois conjuntos de imagens, isto confirma que os pontos brilhantes não são reflexos especulares e, portanto, devem estar relacionados com o brilho intrínseco do objecto. Ou seja, correspondem, provavelmente, às multicamadas brilhantes do isolamento térmico que cobrem o interior do escudo térmico frontal, como sugerido na semana passada.

Estão planeadas imagens adicionais em cerca de duas semanas, e será interessante ver se se notarão outras mudanças.

As imagens poderão fornecer mais peças do quebra-cabeças sobre o que aconteceu com Schiaparelli à medida que se aproximou da superfície marciana.

Após a sua entrada bem sucedida na atmosfera e subsequente desaceleração devida ao escudo térmico e pára-quedas, prossegue a investigação interna sobre a causa dos problemas encontrados por Schiaparelli nas últimas etapas da sua descida de seis minutos.  Foi iniciada uma comissão de inquérito independente.

Notícia e imagens: ESA

Texto editado e corrigido para Língua Portuguesa pré-AO

Deixe um comentário