Lançamentos orbitais em Setembro de 2017



O mês de Agosto de 2017 termina com um total de 8 lançamentos orbitais, um deles mal sucedido, tendo sido colocados em órbita 17 satélites.

Até 31 de Julho 2017, foram realizados 461 lançamentos orbitais bem sucedidos neste mês, o que corresponde a uma média de 7,7 lançamentos e a 8,7% do total de lançamentos bem sucedidos realizados desde 4 de Outubro de 1957 (o mês de Janeiro é o mês com menos lançamentos orbitais com 312 lançamentos que corresponde a 5,9% do total e uma média de 5,2) e o mês de Dezembro é o mês com mais lançamentos orbitais (com 541 lançamentos que corresponde a uma média de 9,0 lançamentos e a 10,2% dos lançamentos realizados.

O número de lançamentos orbitais bem sucedidos levados a cabo em 2017 (51) corresponde a 0,96% do total de lançamentos orbitais realizados desde 4 de Outubro de 1957.

Para Setembro de 2017 estão previstos 9 lançamentos orbitais.

A 5 de Setembro a empresa Europeia, Arianespace, vai levar a cabo o lançamento de dois novos satélites de comunicações. O lançamento da missão VA239 está previsto para as 2151:07UTC e a bordo do foguetão Ariane-5ECA (L592) estarão os satélites Intelsat-37e e BSat-4a. O lançamento terá lugar a partir da Plataforma de Lançamento ELA3 do CSG Kourou, Guiana Francesa. O satélite Intelsat-37e foi construído pela Boeing Satellite Systems e é baseado na plataforma BSS-702MP. Tem uma massa de 6.438 kg e a bordo transporta uma carga de comunicações com repetidores de banda-C, Ku e Ka de alta performance. O satélite será posicionado na órbita geossíncrona a 342º longitude Este. O satélite BSat-4a foi construído pela Space Systems/Loral (SS/L) e é baseado na plataforma SSL-1300. Com uma massa de 3.250 kg, o BSat-4a transporta uma carga de 24 repetidores de banda-Ku que serão utilizados para fornecer serviços Direct-to-Home (DTH) para o Japão.

Recentemente foi anunciado que o segundo satélite de detecção remota Venezuelano, VRSS-2  ‘Antonio José de Sucre’ seria colocado em órbita a 6 de Setembro. O lançamento terá lugar a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan e será levado a cabo por um foguetão CZ-2D Chang Zheng-2D a partir da Plataforma de Lançamento LC43 do Complexo de Lançamento 603. Este será o primeiro lançamento do foguetão CZ-2D depois do quase desaire registado em finais de 2016 no lançamento dos primeiros satélites Gaojing. O VRSS-2 está equipado com um sistema de observação com uma resolução pancromática de 1 metros e com uma resolução multi-espectral de 4 metros. Adicionalmente é capaz de obter imagens SWIR de 30 metros e LWIR de 6 metros. No entanto, e como a industria espacial Chinesa encontra-se numa fase complicada devido a múltiplos falhanços nos lançamentos mais recentes, é possível que o lançamento do VRSS-2 venha a ser adiado para Outubro.

Uma nova missão militar do veículo X-37B terá lugar a 7 de Setembro com um foguetão Falcon-9 da SpaceX a lançar a missão AFSPC-7: OTV-5. Esta será a terceira missão do veículo X-37B-01. O lançamento terá lugar a partir do Complexo de Lançamento LC-39A do Centro Espacial Kennedy.

A 11 de Setembro será lançada uma nova missão com o foguetão 8K82KM Proton-M/Briz-M para colocar em órbita o satélite de comunicações Amazonas-5. O lançamento terá lugar desde a Plataforma de Lançamento PU-39 do Complexo de Lançamento LC200 do Cosmódromo de Baikonur, Cazaquistão. O Amazonas-5 tem uma massa de cerca de 5.000 kg e transporta uma carga de 24 repetidores de banda-Ku e 35 repetidores de banda-Ka. Foi construído pela Space Systems/Loral (SS/L) para a Hispasat e é baseado na plataforma SSL-1300.

Uma nova missão espacial tripulada terá lugar a 12 de Setembro com o lançamento da Soyuz MS-06. O lançamento será levado a cabo a partir da Plataforma de Lançamento PU-5 do Complexo de Lançamento LC1 (17P32-5) ‘Gagarinskiy Start‘ do Cosmódromo de Baikonur. A bordo da Soyuz MS-06 estarão três novos residentes da estação espacial internacional, sendo a tripulação composta por Alexander Alexandrovich Misurkin (Rússia), Mark Thomas Vande Hei (EUA) e Joseph Michael Acaba (EUA). O lançamento será levado a cabo por um foguetão 11A511U-FG Soyuz-FG e está previsto para as 2117UTC.

Uma nova missão militar está prevista para 14 de Setembro com o foguetão Atlas-V/541 (AV-072) a colocar em órbita o satélite NROL-42 (Trumpet Follow On 2) a partir do Complexo de Lançamento SLC-3E da Base Aérea de Vandenberg, Califórnia. Estes satélites operam em órbitas Molniya, isto é, órbitas com um apogeu muito elevado para a detecção de comunicações electrónicas.

Um novo satélite de navegação para a rede GLONASS será colocado em órbita a 22 de Setembro. O satélite GLONASS n.º 52 será colocado em órbita por um foguetão 14A14-1B Soyuz-2-1B/Fregat-M a partir do Complexo de Lançamento LC43/4 do Cosmódromo GIK-1 Plesetsk.

Outra missão militar será lançada a 28 de Setembro por um foguetão Atlas-V/421 (AV-075) a partir do Complexo de Lançamento SLC-41 do Cabo Canaveral AFS. A missão NROL-52 é composta pelo satélite Quasar 21 (SDS-4 2) que será utilizado para a retransmissão de comunicações estratégicas em tempo real a partir de satélites espiões KH-11 nas áreas polares, sendo também utilizados para comunicações a partir de aviões militares em rotas polares.

Uma nova missão do foguetão Proton-M/Briz-M está prevista para 28 de Setembro. O foguetão 8K82KM Proton-M/Briz-M (93703/99572) irá colocar em órbita o satélite de comunicações AsiaSat-9 a partir da Plataforma de Lançamento PU-39 do Complexo de Lançamento LC200 do Cosmódromo de Baikonur. O Asiasat-9 será operado pela Asia Satellite Telecommunications Company e é baseado na plataforma SSL-1300 desenvolvida pela Space Systems/Loral (SS/L). Para além da sua carga de comunicações (composta por 28 repetidores de banda-C, 32 repetidores de banda-Ku e uma carga de banda-Ka) o satélite transporta a carga STORM (Sounding and Tracking Observatory for Regional Meteorology) que é composta por um sensor hiperespectral projectado para fornecer sondagens de alta-resolução das condições atmosféricas, incluindo temperatura e humidade, para a previsão e seguimento de tempestades.

 

Deixe um comentário