Lançamentos orbitais em Novembro de 2015



VA227 1

O mês de Outubro terminou com 8 lançamentos orbitais, tendo-se colocado em órbita 25 satélites. O número de lançamentos orbitais bem sucedidos realizados em Outubro de 2015 situou-se ligeiramente acima da média total (7,4) e ligeiramente abaixo da média de lançamentos (8,3) usualmente realizados nos meses de Outubro. 

Até 31 de Outubro de 2015, foram realizados 481 lançamentos orbitais bem sucedidos neste mês, o que corresponde a uma média de 8,3 lançamentos e a 9,4% do total de lançamentos bem sucedidos realizados desde 4 de Outubro de 1957. O mês de Janeiro é o mês com menos lançamentos orbitais (301 lançamentos que corresponde a uma média de 5,2 lançamentos e a 5,9% dos lançamentos totais) e o mês de Dezembro é o mês com mais lançamentos orbitais (516 lançamentos que corresponde a uma média de 8,9 lançamentos e a 10,0% dos lançamentos totais).

10-2015 1

10-2015 2

O mês de Novembro costuma ser um mês com pouco lançamentos orbitais e o ano de 2015 não deve fugir à regra. Para Novembro de 2015 estão previstos 4 lançamentos orbitais que serão levados a cabo pela China, Arianespace e Japão, havendo ainda a possibilidade de ocorrer um lançamento orbital por parte da Rússia. Este número poderá ainda ser aumentado com um outro lançamento por parte dos Estados Unidos. 

A China vai levar a cabo o lançamento de um novo satélite militar de comunicações no dia 3 de Novembro de 2015. O lançamento do satélite ZX-2C Zhongxing-2C (ou Chinasat-2C) será pelas 1620UTC e será levado a cabo pelo foguetão CZ-3B Chang Zheng-3B/G2 (Y34) a partir do Complexo de Lançamento LC3 do Centro de Lançamento de Satélites de Xichang, província de Sichuan. O Zhongxing-2C será possivelmente o segundo satélite da segunda geração de satélites ST Shentong, que são satélites de comunicações geostacionários utilizados pelo Exército de LIbertação do Povo com o objectivo de fornecer comunicações seguras ao nível da transmissão de dados e voz para utilizadores no solo através de banda-Ku.

No dia 10 de Novembro, a Arianespace vai lançar a missão VA227 para colocar em órbita dois satélites de comunicações. O lançamento será levado a cabo pelo foguetão Ariane-5ECA (L581) e a bordo estarão os satélites Badr-7 (Arabsat-6B) e GSAT-15. Baseado no modelo Eurostar-3000, o Badr-7 (Arabsat-6B) tem uma massa de 6.100 kg no lançamento. O satélite está equipado com 24 repetidores de banda-Ku, 24 repetidores de banda-Ka direccionáveis e 3 repetidores de banda-Ka simples. Desenvolvido pela ISRO, o GSAT-15 é baseado no modelo I-3K e tem uma massa de 3.200 kg no lançamento. Está equipado com 24 repetidores de banda-Ku e uma carga de geoposicionamento GAGAN. O lançamento da missão VA227 está previsto para as 2134:07UTC e será levado a cabo a partir do Complexo de Lançamento ELA3 do CSG Kourou, Guiana Francesa.

A China irá levar a cabo um novo lançamento orbital a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Xichang a 21 de Novembro com o foguetão CZ-3B Chang Zheng-3B/G2 (Y38) a ser lançado desde o Complexo de Lançamento LC2 para colocar em órbita o satélite de comunicações LaoSat-1 para o Laos. O LaoSat-1 é baseado na plataforma DFH-3B desenvolvida pela Academia Chinesa de Tecnologia Espacial e está equipado com 14 repetidores de banda-C e 8 repetidores de banda-Ku.

A 24 de Novembro, pelas 0623UTC, o foguetão H-2A/204 (F29) será lançado desde a Plataforma de Lançamento LP1 do Complexo de Lançamento Yoshinobu do Centro Espacial de Tanegashima, numa missão comercial para colocar em órbita o satélite de comunicações Telstar-12 VANTAGE. Baseado no modelo Eurostar-3000, o Telstar-12 VANTAGE tem uma massa de cerca de 5.000 kg no lançamento e está equipado com 52 repetidores de banda-Ku.

O mês de Novembro poderá ainda assistir a dois outros lançamentos. Já por várias vezes adiado por razões técnicas, o voo inaugural do foguetão de combustível sólido Super Strypi está agora previsto para Novembro, mas sem uma data definitiva. O lançamento terá lugar a partir do Pacific Missile Range Facility (Kokole Pointe) 41, localizado em Barking Sands, Kauai, Havai. Também designado como SPARK (Space-borne Payload Assist Rocket – Kauai), o Super Strypi foi desenvolvido pelos Laboratórios Nacionais Sandia, pela Universidade do Havai e pela Aerojet, ao abrigo do programa LEONIDAS (Low Earth Orbiting Nanosatellite Integrated Defense Autonomous System) e é baseado numa versão do foguetão-sonda Strypi desenvolvido pela Sandia.

 

No seu voo inaugural, o Super Strypi irá colocar em órbita treze pequenos satélites. A carga principal é o HiakaSat-1 (HawaiiSat-1). O HiakaSat (Hyperspectral Imaging, Aeronautical Kinematic Analysis Satellite) foi desenvolvido por estudantes da Universidade do Havai e tem como objectivo demonstrar a fiabilidade dos instrumentos e da plataforma, levar a cabo observações de detecção remota utilizando o sistema de observação hiperespectral SUCHI, levar a cabo observações com duas câmaras hiperespectrais HSFL que estão co-alinhadas com o SUCHI, proporcionar uma oportunidade de desenvolvimento aos estudantes universitários, e desenvolver uma estrutura para operações e construção de futuros veículos.

Outros satélites a bordo são o Supernova-Beta (um CubeSat-6U da Pumpkin Inc. que irá fazer demonstrações tecnológicas), o STACEM (um CubeSat-3U da Space Dynamics Laboratory e da Fundação de Investigação da Universidade Estatal do Utah, para a obtenção de imagens em vários comprimentos de onda para monitorização e análise ambiental), o Argus (ou SLU 02 desenvolvido pela Universidade de St. Louis para demonstração tecnológica), o Printsat (da Universidade Estatal do Montana e que irá medir as características do material Windform XT2.0 com o qual é fabricado através de impressão 3D) e oito satélites EDSN (Edison Demonstration of Smallsat Networks, que são CubeSats-1.5U desenvolvidos pelo Centro Espacial Ames, da NASA, para demonstrar novas capacidades de comunicação).

A Rússia poderá também levar a cabo o lançamento de um novo tipo de satélite militar de aviso antecipado do lançamento de mísseis balísticos intercontinentais. Aparentemente denominados como ‘Tundra’ ou EKS (Edinaya Kosmicheskaya Sistema), estes satélites serão colocados em órbitas altamente inclinadas com períodos orbitais de 24 horas. O lançamento será realizado desde o Complexo de Lançamento LC43/4 do Cosmódromo GIK-1 Plesetsk utilizando um foguetão 14A14-1B Soyuz-2-1B/Fregat-M.

Deixe um comentário