Japão falha lançamento do pequeno TRICOM-1



A tentativa de colocar em órbita um pequeno satélite utilizando um foguetão-sonda modificado por parte do Japão, não foi bem sucedida. O lançamento do satélite TRICOM-1 teve lugar às 23:33:00UTC do dia 14 de Janeiro de 2017 utilizando um foguetão SS-520-4 lançado a partir de uma Rampa de Lançamento instalada na área Kappa do Centro Espacial de Uchinoura, Kagoshima. O lançamento havia sido adiado devido às más condições meteorológicas no dia 10 de Janeiro.

O lançamento decorreu sem problemas durante o primeiro estágio. Porém, a verificação dos parâmetros de voo não autorizou a ignição do segundo estágio, fazendo com o que o veículo se despenhasse ao largo de Uchinoura.

Se o lançamento tivesse sido bem sucedido, o foguetão SS-520-4 teria sido o mais pequeno foguetão a colocar um satélite em órbita.

O TRICOM-1 era um CubeSat-3U experimental com uma massa de 3 kg, que foi desenvolvido pela Universidade de Tóquio. O pequeno satélite é estabilizado por rotação induzida pelo lançador e a bordo transporta um dispositivo de comunicações de gravação e transmissão, além de um sistema de câmaras para a observação da Terra.

O satélite deveria captar informação que é enviada a partir do solo, gravando-a a bordo. A informação seria depois retransmitida à passagem de uma estação de recepção. O sistema de câmaras a bordo do TRICOM-1 era composto por quatro câmaras principais e uma câmara secundária. O objectivo era o de observar a superfície terrestre durante a fase inicial da missão mesmo com o satélite num estado instável.

A superfície externa do TRICOM-1 era coberta de células solares para a captação da luz solar que depois é convertida em energia e que é armazenada em baterias internas.

O nano-foguetão SS-520-4

O foguetão-sonda SS-520 é um lançador a dois estágios de combustível sólido que foi desenvolvido para enviar cargas a uma altitude de 800 km e ao mesmo tempo levar a cabo investigações tecnológicas no que diz respeito ao desenvolvimento de um lançador de mini-satélites ao lhe ser adicionado um terceiro estágio. Como foguetão-sonda, o SS-520 é capaz de lançar uma carga de 140 kg a uma altitude de 800 km.

O primeiro estágio deriva do principal propulsor do foguetão-sonda S-520 e é estabilizado utilizando aletas aerodinâmicas tal como no foguetão-sonda S-520.

O SS-520 tem um comprimento de 9,54 metros, um diâmetro de 0,52 metros e uma massa total de 2.600 kg.

Dados estatísticos e próximos lançamentos

– Lançamento orbital: 5602

– Lançamento orbital sem sucesso: 355

– Lançamento orbital Japão: 106

– Lançamento orbital Japão sem sucesso: 10

– Lançamento orbital desde Uchinoura: 38

– Lançamento orbital desde Uchinoura sem sucesso: 8

Ao se referir a ‘lançamentos com sucesso’ significa um lançamento no qual algo atingiu a órbita terrestre, o que por si só pode não implicar o sucesso do lançamento ou da missão em causa.

Dos lançamentos bem sucedidos levados a cabo em 2017: 0,0% foram realizados pelos Estados Unidos, incluindo ULA – 0,0%, SpaceX – 0,0% e Orbital ATK – 0,0%; 66,7% (2) pela China; 0,0% pela Rússia; 0,0% pela Arianespace; 0,0% pela Índia e 33,3% pelo Japão.

Os próximos lançamentos orbitais previstos são (hora UTC): 

20 Jan (00:46:00) – Atlas-V/401 (AV-066) – Cabo Canaveral AFS, SLC-41 – SBIRS-GEO 3

24 Jan (07:44:00) – H-2A (F32) – Tanegashima, Yoshinubo LP1 – DSN-2 ‘Kirameki-2’

27 Jan (01:00:00) – Atlas-V/401 (AV-068) – Vandenberg AFB, SLC-4E – NROL-79

27 Jan (04:50:00) – Falcon-9 (031) – Centro Espacial Kennedy, LC-39A – EchoStar-23

28 Jan (01:03:34) – 372RN21B Soyuz-STB/Fregat-MT (VS16) – CSG Kourou (Sinnamary), ELS – Hispasat 36W-1 (Hispasat AG1)

Deixe um comentário