Integral obtém raios-X da aurora da Terra

O satélite Integral da ESA pesquisa os céus da Terra em busca de sinais de radiação de alta energia desde 2002, observando partículas expelidas por fenómenos extremos como buracos negros, estrelas de neutrões e explosões de supernovas. No dia 10 de Novembro de 2015, a sonda identificou, por acaso, algo especialmente interessante – e um pouco mais perto de casa: auroras intensas que dançavam ao redor do polo norte da Terra.

Esta imagem é um enquadramento único de uma sequência mais longa de imagens e mostra as auroras a formar um semicírculo irregular nas latitudes setentrionais da Terra. As auroras foram vistas pela primeira vez em torno do leste da Sibéria, ao norte do Japão, por volta das 11:00 GMT, e depois foram observadas numa área mais ampla no lado oposto do planeta, acima do Canadá e da Gronelândia.


O Integral estava, inicialmente, a preparar-se para uma pesquisa astronómica quando observou essa aurora; a sonda estava a planear observar os céus em comprimentos de onda de raios-X para medir algo conhecido como o fundo cósmico de raios-X, um nível difuso de radiação que permeia o cosmos e está ligado a eventos de alta energia como buracos negros a devorar material próximo em galáxias distantes. Este fundo é subtil e complicado de detectar – e, neste caso, as auroras inesperadamente fortes que iluminam a Terra “afogaram-no”.

No entanto, as observações estavam longe de serem desperdiçadas. Podem ser conhecidas pelos seus espetáculos de luz de tirar o fôlego, mas as auroras podem revelar muito sobre o espaço que circunda o nosso planeta. São criadas por partículas do vento solar que entram nas camadas superiores da nossa atmosfera e interagem com a matéria, provocando rajadas de luz e enchendo o céu com as suas características e ondulantes folhas coloridas.

As auroras são transitórias e difíceis de prever; capturar um exemplo tão intenso com o Integral ajudou os cientistas a entender mais sobre a distribuição e a quantidade de partículas carregadas em torno do nosso planeta e a caracterizar a interacção entre o Sol e a nossa magnetosfera – a região do espaço sobre a qual o campo magnético da Terra domina. Leia mais sobre as observações, que foram relatadas em 2016, aqui.

O Integral obteve as imagens de raios-X usando o Imager a bordo do instrumento INTEGRAL Satellite(IBIS), em intervalos de aproximadamente oito minutos. O tamanho, orientação e posição do nosso planeta dentro do quadro muda de imagem para imagem com a posição do Integral em órbita; a aeronave viaja numa órbita altamente excêntrica de 64 horas, chegando a 10 mil quilómetros e a 140 mil quilómetros da Terra.

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

 

Comente este post

%d blogueiros gostam disto: