Início do serviço para a ‘SpaceDataHighway’ da Europa



edrs-1

O Sistema Europeu de Retransmissão de Dados (EDRS) começou ontem a prestar assistência ao programa Europeu de observação da Terra, Copernicus, transferindo observações em tempo quase-real, utilizando tecnologia laser de ponta.

O EDRS-SpaceDataHighway (Via de Dados Espaciais) vai agora começar a prestar um serviço comercial para o Copernicus Sentinels da Comissão Europeia – o primeiro e único do seu género. O EDRS é uma parceria público-privada entre a ESA e a ‘Airbus Defence and Space‘, com a ESA a apoiar o desenvolvimento tecnológico inicial e a empresa a prestar o serviço comercial. A Comissão Europeia é o cliente-âncora da EDRS através das suas missões Sentinel-1 e -2.

O EDRS acelera a transmissão de dados de satélites de baixa órbita como os ‘Sentinels’ para o usuário final no solo. Para isso, bloqueia os satélites com um feixe de laser à medida que passam por baixo e transmite imediatamente as informações às estações terrestres Europeias através de um feixe de rádio de alta velocidade.

Os satélites de baixa órbita devem normalmente esperar até que viajem dentro do raio de visão de uma estação terrestre para fazer a ligação descendente com os dados que recolheram, resultando num atraso de até 90 minutos por órbita de 100 minutos. Isso ocorre porque a maioria das estações terrestres que servem os satélites de baixa órbita estão localizadas nas regiões polares, embora os ‘Sentinels’ tenham estações adicionais na Itália e na Espanha.

No entanto, os dados de satélite de observação da Terra são cada vez mais utilizados para aplicações sensíveis ao tempo, como resposta a desastres, vigilância marítima e segurança, onde a velocidade é essencial.

O EDRS ajudará a resolver este problema. Como a primeira rede óptica de comunicação por satélite do mundo em órbita “geoestacionária” – onde os satélites levam 24 horas para circundar a Terra e parecendo assim “pendurados” no céu – transmitirá quantidades sem precedentes de dados potencialmente salva-vidas, por dia, em tempo quase-real.

O primeiro nódulo do EDRS-A começará agora a colectar dados do Sentinel-1A. Os dois satélites irão ligar via raio-laser, até 15 vezes por dia.

O segundo nódulo do EDRS-C será lançado em 2017, para ajudar a transferir as enormes quantidades de dados que são enviadas para trás e para a frente pela Europa.

Ao contrário do EDRS-A, que se encontra hospedado num satélite comercial Eutelsat, o EDRS-C é um satélite dedicado, construído especificamente para o sistema.

Ambos os nódulos possuem uma carga TESAT com um terminal intersatélite a laser desenvolvido, sob financiamento, pelo Centro Aeroespacial Alemão DLR. O EDRS-A também carrega uma carga de satélites de banda-Ka de alta velocidade para retransmitir dados de e para a Estação Espacial Internacional.

Está planeado que os dois primeiros satélites sejam complementados pelo terceiro nódulo EDRS-D sobre a Ásia, em 2020.

O EDRS-D é parte de um programa chamado GlobeNet, que estenderá a cobertura de retransmissão de dados, quase em tempo real, do EDRS da Europa para o mundo inteiro.

O GlobeNet também se vai conectar a aeronaves tripuladas e pilotadas remotamente, fornecendo comunicações bidirecionais que podem ser usadas para comando, controlo e transferência rápida de dados de sensores, complementando aqueles obtidos a partir de satélites de observação da Terra.

O resultado final será que os dados de observação da Terra podem ser recebidos em qualquer lugar da Terra em tempo quase-real, reforçando o seu valor para uma série de aplicações de tempo crítico, como desastres e respostas de emergência.

Como o primeiro serviço de retransmissão de dados comerciais no mundo a usar lasers, o EDRS-SpaceDataHighway representa uma inovação revolucionária no seu melhor. A ESA continuará a trabalhar com os nossos parceiros, a ‘Airbus Defence and Space’ e a Comissão Europeia, para continuar a impulsionar o progresso tecnológico, alargando este sucesso a uma cobertura mundial com a GlobeNet“, afirmou Magali Vaissiere, Directora de Telecomunicações e Aplicações Integradas da ESA.

O EDRS-SpaceDataHighway oferece uma nova dimensão de acesso aos dados a partir dos nossos satélites ‘Sentinel’, permitindo um acesso mais rápido às imagens, bem como uma capacidade de apoio para as clássicas estações terrestres de recepção. Isso torna-se cada vez mais importante para satisfazer as crescentes demandas das nossas comunidades de usuários“, diz Josef Aschbacher, Director de Programas de Observação da Terra da ESA.

A SpaceDataHighway não é mais ficção científica, vai revolucionar as comunicações via satélite“, acrescentou Evert Dudok, chefe de Comunicações, Inteligência e Segurança da ‘Airbus Defence and Space’.

Irá mudar totalmente a maneira como a crise humanitária, a segurança marítima e a proteção do meio ambiente podem ser geridas“.

A Alemanha investiu estrategicamente em comunicação óptica e pretende continuar com a evolução do programa ‘ScyLight’ da ESA. Agora temos a oportunidade de transformar a liderança tecnológica europeia numa liderança de mercado“, afirmou o Dr. Gerd Gruppe, da Direcção Executiva do DLR, responsável pela administração espacial.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  , ,

Deixe um comentário