Índia lança novo foguetão e testa futura cápsula tripulada



LVM3 02

A agência espacial Indiana ISRO (Indian Space Research Organization) levou a cabo o lançamento do seu novo foguetão LVM3 (ou GSLV Mk III) num voo sub-orbital que transportou o protótipo de uma futura cápsula espacial que será utilizada para transportar astronautas para a órbita terrestre.

O lançamento teve lugar às 0400UTC do dia 18 de Dezembro de 2014 e foi levado a cabo a partir da Plataforma de Lançamento SLP do Centro Espacial Satish Dawan SHAR, Ilha de Sriharikota.

A bordo do LVM3 encontrava-se o Crew Module Atmospheric Reentry Experiment (CARE), que demonstrou a capacidade de reentrada da cápsula espacial que está a ser desenvolvida pelo ISRO. O principal objectivo da missão foi o de validar a reentrada e a recuperação deste protótipo.

Com uma massa de 3.735 kg, a cápsula foi lançada sem o módulo de serviço que será utilizado nas missões tripuladas, tendo sido montada de «pernas para o ar» no segundo estágio do lançador no interior da carenagem de protecção. Ao ser lançada nesta posição, simplificou-se a missão e aumentou-se assim as possibilidades de sucesso sem haver a necessidade de se proceder a modificações no escudo térmico da cápsula para que pudesse ser acomodada no foguetão. Nesta posição a cápsula não teve a necessidade de proceder a qualquer manobra antes da reentrada.

O lançamento do foguetão LVM3-X1 decorreu sem qualquer problema e todas as fases do voo decorreram como previsto.

LVM3 01

No lançamento dá-se a ignição dos dois propulsores laterais de combustível sólido S200 e a ignição dos motores do primeiro estágio ocorrem a T+1m 55s. A separação dos dois propulsores ocorre a T+2m 29s no final das suas queimas. A separação é conseguida com o auxílio de seis pequenos motores de separação que afastam os propulsores do lançador.

A separação da carenagem de protecção com um comprimento de 5 metros ocorre a T+3m 53s e a ignição do primeiro estágio termina a T+5m 18s, separando-se do segundo estágio 3 segundos depois. O segundo estágio utilizado nesta missão não se encontrava activo. A separação da cápsula ocorreu a T+5m 25s.

A cápsula foi acelerada a uma velocidade de cerca de 5,3 km/s, tendo atingido um apogeu de cerca de 126 km de altitude e iniciando o regresso à Terra, tendo sido recuperada no Oceano Índico a 180 km a Sul das ilhas Andaman e Nicobar.

Marcado por vários problemas nas missões que levou a cabo, o foguetão GSLV atinge uma percentagem de sucesso de 37,5%. O LVM3 apresenta-se como um desenvolvimento completamente novo para este lançador. É um veículo a dois estágios auxiliados com dois propulsores laterais de combustível sólido.

O primeiro estágio L110 está equipado com dois motores Vikas que são derivados da série de motores franceses Viking utilizados nos foguetões Ariane entre 1979 e 2004. Consumindo propolentes hipergólicos (UDMH e N2O4), os motores são accionados já em voo após a fase inicial propulsionada pelos dois propulsores de combustível sólido. Cada um destes dois propulsores S200 queima 207.000 kg de propolente sólido HTPB.

O segundo estágio C25 do lançador não foi utilizado nesta missão inaugural. É um estágio criogénico (LH2 e LOX) e será testado numa missão posterior. Nesta missão o segundo estágio estava cheio de nitrogénio líquido para simular o propolente.

LVM3 05

LVM3 04

LVM3 03

Imagens: ISRO

Deixe um comentário