Imagem da Nebulosa Cabeça de Macaco para comemorar o 24º aniversário do Hubble



Hubble_s_24th_birthday_snap_of_Monkey_Head_Nebula_large

Todos os anos, o Telescópio Espacial Hubble, da NASA/ESA, lança uma nova imagem para celebrar o seu aniversário. Este ano, o sujeito da foto de comemoração do 24º aniversário é uma parte da Nebulosa Cabeça de Macaco, apanhada pelo Hubble em 2001 e criando uma imagem impressionante, divulgada em 2011. 

 

Conhecida também como NGC 2174, esta nuvem de gás e poeira está a 6400 anos-luz de distância, na constelação de Orion (O Caçador). Nebulosas como esta são um popular alvo para o Hubble – as coloridas plumas de gás e as suas estrelas brilhantes dão belas imagens, tais como as divulgadas nos aniversários 22º e 23º, com as nebulosas de Tarântula ou Cabeça de Cavalo.

Esta região está preenchida por pequenas estrelas embebidas no meio de tufos de gás e poeira. Escuras nuvens de pó crescem para fora, emolduradas por um cenário de gás azul brilhante. Estes tons marcantes foram formados pela combinação de diversas imagens do Hubble captadas através de diferentes filtros, revelando uma vasta gama de cores que não são visíveis normalmente aos nossos olhos.  

Estas nuvens intensas são de facto violentos berçários de estrelas equipados com os ingredientes necessários para a construção de estrelas. A receita para se cozinhar novas estrelas é bastante ineficiente e a maior parte dos ingredientes são desperdiçados à medida que a nuvem de gás e poeira se dispersa. Este processo é acelerado pela presença de novas estrelas muito quentes, o que provoca ventos de grande velocidade que ajudam a empurrar o gás para fora.

Esta imagem marca o 24 aniversário do Hubble, a funcionar desde Abril de 1990, uma data que será celebrada numa conferência a decorrer em Roma, Itália, esta semana. A conferência ‘Ciência com o Telescópio Espacial Hubble IV’ irá realçar e celebrar os avanços do Hubble, ao longo das últimas duas décadas, e ainda olhar para o futuro e para os tópicos e questões essenciais que irão moldar a astrofísica na próxima década.

Notícia e imagem: ESA

Deixe um comentário