Geologia do Quadrilátero Victoria em Mercúrio



Mercúrio, o planeta mais interno do nosso Sistema Solar, é um mundo cinza e estéril para nossos olhos humanos. Em grande contraste, este mapa mostra uma porção da superfície numa miscelânea de cores, cada sombra correspondente a um tipo diferente de uma característica geológica.

A imagem é um trecho de um mapa geológico detalhado, que é o primeiro levantamento geológico completo desta região, produzido com dados da missão Messenger da NASA, que orbitou Mercúrio de 2011 a 2015. Abrange uma secção no hemisfério norte do planeta, conhecida pelos geólogos planetários como o Quadrilátero Victoria, e está centrada em cerca de 45ºW/45ºN.

Desde crateras de impacto em vários estados de degradação (vermelho escuro/verde/amarelo/bege) até planícies vulcânicas (rosa/pêssego) e materiais de planícies mais irregulares (castanho), a imagem captura mil milhões de anos de uma história geológica rica. Para a escala, a grande cratera que se encontra no centro, mede cerca de 150 km de largura.

No total, 867 crateras maiores que 5 km estão cartografadas nesta imagem – o Quadrilátero Victoria completo contém 1789. Destas, 519 são maiores que 20 km (268 nesta secção em particular) e para essas, o padrão do material ejectado está cartografado e classificado também. Cartografar a densidade e as características das crateras ajuda a determinar a idade relativa de uma superfície: em geral, quanto mais crateras, mais antiga é a superfície.

O mapa também indica características de superfície, como vales, abismos, falhas e rugosidades, que foram fotografadas em alta resolução pelo Messenger, muitas das quais identificadas pela primeira vez. (Para uma descrição completa das anotações, veja o mapa geológico completo desta região.)

Por exemplo, o Messenger descobriu vales que parecem ser jovens e únicos para Mercúrio, e pode ser devido a um material sublimado que enfraquece partes da superfície, de modo que colapsa.

A missão BepiColombo da ESA, preparada para lançamento no próximo ano, acompanhará muitos dos recursos de superfície identificados pelo Messenger. Por exemplo, a imagem de alta resolução da BepiColombo, do infravermelho ultravioleta ao infravermelho térmico, determinará a composição química das cavidades, ajudando a familiarizar-se com a forma como estas se formam.

BepiColombo também será capaz de melhorar a compreensão das variações no estilo eruptivo vulcânico ao longo do tempo, estudando os diferentes materiais das planícies vulcânicas. As planícies vulcânicas também exibem cumes rugosos, características sinuosas que se formam quando as lavas esfriam e retrocedem, fazendo com que a crosta se contraia horizontalmente. BepiColombo complementará os dados do Messenger ao capturar imagens de alta resolução, em particular no hemisfério sul, para ajudar a determinar como essa contracção foi distribuída ao longo do tempo e, portanto, a história do arrefecimento do planeta.

A missão BepiColombo é uma parceria com a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA). Compreende duas sondas científicas, a Sonda Planetária de Mercúrio da ESA e a Sonda Magnetosférica de Mercúrio da JAXA, que chegarão a Mercúrio em Dezembro de 2025.

Uma descrição completa do mapa geológico e do artigo associado está disponível através do Journal of Maps: “Geology of the Victoria quadrangle (H02), Mercury”, de Galluzzi et al. (2016). O mapa é um dos muitos que está a ser compilado, a fim de completar um mapa global consistente, antes da chegada de BepiColombo ao planeta, para apoiar as campanhas de observação da missão.

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Deixe um comentário