Galileo: Uma nova ferramenta para a ciência



O começo dos serviços iniciais do Galileo, no mês passado, é uma vantagem não apenas para pessoas de todo o mundo, mas também para a comunidade científica. Um critério preciso está agora livremente disponível para estudar a Terra e tudo sobre ela, juntamente com as leis da física.

O sistema satnav Galileo começou a operar a 15 de dezembro, oferecendo serviços de posicionamento, navegação e cronometragem para todos com um receptor. A disponibilidade do serviço é baseada num mínimo de quatro satélites que são visíveis no céu local, ajustado para melhorar como o aumento do número de satélites dos actuais 18 para um planeado total de 24, mais peças sobressalentes orbitais. 

A navegação por satélite, em geral, tornou-se uma ferramenta essencial para os cientistas, com receptores satnav utilizados, por exemplo, para monitorizar o movimento lento de zonas tectónicas, deslocamentos de gelo polar ou para sondar a ionosfera e outras camadas atmosféricas. 

O satnav também sustenta actividades como rastreamento de animais ou monitorização de drones, enquanto a precisão de tempo resultante até alguns bilionésimos de segundo permite todos os tipos de medições físicas fundamentais e experiências precisas.

A continuidade e a melhoria da disponibilidade do Galileo fornecem uma nova fonte de dados de posicionamento e de tempo para fins científicos, para serem usados isoladamente ou em combinação com outras constelações de satélites”, explica Javier Ventura-Traveset, líder do novo Gabinete de Ciência Galileo da ESA. 

Galileo também oferece várias vantagens específicas para uso científico, com os relógios atómicos ‘Passive Hydrogen Maser’ em cada satélite numa ordem de magnitude mais precisa do que todos os relógios anteriores utilizados para fins de navegação, múltiplas frequências de transmissão com modulação robusta e ampla largura de banda, órbitas estáveis evitando a ressonância de rotação da Terra, a calibração absoluta de antenas de satélite mais retrorrefletores de laser a bordo que permitem que as órbitas de satélite sejam caracterizadas até centímetros.” 

O Galileo está igualmente empenhado na máxima transparência ao serviço da ciência: no mês passado, os “metadados” operacionais associados aos primeiros quatro satélites Galileo, conhecidos como satélites de validação em órbita, foram tornados públicos pelo Centro Europeu de Serviço Global de Navegação por Satélite.

Gabinete de Ciência Galileo da ESA

Passive hydrogen maser

Para começar a trabalhar para os cientistas, a Direcção do Programa Galileo da ESA e as atividades relacionadas com a navegação juntaram-se à Direcção de Ciência da Agência para criar este Gabinete de Ciência Galileo, com sede no centro da ESA, perto de Madrid, Espanha. 

O principal objectivo deste gabinete é fomentar a consolidação de uma comunidade científica mundial de referência do Sistema Global de Navegação por Satélite (GNSS), maximizando as possibilidades de realizar actividades científicas GNSS na Europa e maximizando a utilização das infraestruturas GNSS europeias e dados

O gabinete irá também garantir o parecer adequado da comunidade científica para as equipas GNSS, em particular com relação à evolução esperada e adaptação da infraestrutura GNSS.” 

O trabalho científico de Galileu começou cedo, com dois satélites em órbitas alongadas sendo usados agora para medir com mais precisão como as mudanças gravitacionais influenciam a passagem do tempo – o efeito do ‘redshift’ gravitacional, predito inicialmente por Albert Einstein.

Colóquio Internacional 

Este ano teremos uma série bienal de workshops dedicados ao uso científico de sistemas satnav: o 6º Colóquio Internacional sobre os Aspetos Científicos e Fundamentais do GNSS e Galileo.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário