Gaia volta os seus olhos para a caça de asteroides



Embora mais conhecida pela sua pesquisa das estrelas e mapeamento da Via Láctea a três dimensões, a missão Gaia da ESA tem muitas mais cordas para o seu arco. Entre elas, a sua contribuição para a nossa compreensão dos asteróides que largam detritos no Sistema Solar. Agora, pela primeira vez, Gaia não está apenas a fornecer informações cruciais para a compreensão dos asteróides conhecidos, mas também começou a procurar novos asteróides, anteriormente desconhecidos dos astrónomos.

Desde que iniciou as operações científicas em 2014, Gaia tem desempenhado um papel importante na compreensão dos objectos do Sistema Solar. Este nunca foi o objectivo principal de Gaia – que é mapear cerca de mil milhões de estrelas, quase 1% da população estelar da nossa galáxia – mas é um valioso efeito colateral do seu trabalho. As observações de Gaia de asteróides conhecidos já forneceram dados usados para caracterizar as órbitas e propriedades físicas desses corpos rochosos de uma forma mais precisa do que nunca.

“Todos os asteróides que estudámos até agora já eram conhecidos da comunidade astronómica,” explica Paolo Tanga, Cientista Planetário do Observatório da Costa Azul, França, responsável pelo processamento das observações do Sistema Solar.

Estes asteróides foram identificados como pontos nos dados de Gaia que estavam presentes numa imagem e ausentes noutra obtida pouco tempo depois, sugerindo que eram de fato objetos que se moviam em oposição às estrelas mais distantes.

Uma vez identificados, os objectos em movimento encontrados nos dados de Gaia são combinados contra as órbitas conhecidas de asteróides para nos dizer qual asteróide estamos a observar. “Agora,” continua Tanga, “pela primeira vez, estamos a encontrar objecto em movimento que não podem ser combinados com qualquer estrela catalogada ou asteróide.”

Detecção de asteróides por Gaia

O processo de identificação de asteróides nos dados de Gaia começa com uma peça de código conhecido como o programa informático de Processamento de Dados Inicial (IDT) – que foi amplamente desenvolvido na Universidade de Barcelona e é executado no Centro de Processamento de Dados no Centro Europeu de Astronomia Espacial (ESAC), o estabelecimento da ESA em Espanha.

Este programa informático compara múltiplas medições tomadas da mesma área e escolhe os objectos que são observados, mas não podem ser encontrados em observações anteriores da área. É provável que estes não sejam estrelas mas, contrariamente, objectos do sistema solar que se movem através do campo de visão de Gaia. Uma vez encontrados, os pontos anómalos são processados por um filtro informático no centro de dados do Centro Nacional de Estudos Espaciais (CNES) em Toulouse, França, que é dedicado a objectos do Sistema Solar. Aqui, a fonte é cruzada com todos os corpos menores conhecidos no Sistema Solar e se nenhuma correspondência for encontrada, então a fonte é um asteróide completamente novo, ou um que só foi vislumbrado antes e nunca teve a sua órbita caracterizada com precisão.

Embora os testes tenham mostrado que a missão Gaia é muito boa na identificação de asteróides, até agora tem havido barreiras significativas para descobrir novos. Há áreas do céu tão cheias que tornam o trabalho do IDT, de combinar observações da mesma estrela, muito difícil. Quando falha em fazê-lo, um grande número de desajustes acaba no encanamento de objecto do Sistema Solar, contaminando os dados com asteróides falsos e tornando muito difícil descobrir novos.

“No início, ficámos desapontados quando vimos como os dados estavam desordenados com desajustes,” explica Benoit Carry, Observatório da Costa Azul, França, que é responsável pela selecção de candidatos alerta de Gaia. “Mas descobrimos maneiras de filtrar esses desajustes e eles estão a funcionar! Gaia encontrou um asteróide pouco observado antes.”

Região de pesquisa de asteróides

O asteróide em questão, apelidado de Gaia-606, foi encontrado em Outubro de 2016 quando os dados de Gaia mostraram uma fonte fraca e movediça. Os astrónomos imediatamente começaram a trabalhar e foram capazes de prever a posição do novo asteróide a partir do solo, durante um período de alguns dias. Então, no Observatório de Haute Provence (Sul de França), William Thuillot e os seus colegas Vincent Robert e Nicolas Thouvenin (Observatório de Paris/IMCCE) conseguiram apontar um telescópio para as posições previstas e mostrar que este era realmente um asteróide que não correspondia à órbita de qualquer objecto do Sistema Solar catalogado anteriormente.

No entanto, apesar de não estar presente em qualquer catálogo, um mapeamento mais detalhado da nova órbita mostrou que já existem algumas, embora escassas, observações do objecto. Isto não é incomum com novas descobertas onde, como com o Gaia-606 (agora renomeado 2016 UV56), objectos que inicialmente aparentavam ser totalmente novos acabassem por ser re-avistamentos de objectos cujas observações anteriores não foram suficientes para mapear as suas órbitas.

“Este foi realmente um asteróide não presente em qualquer catálogo, e que é um achado emocionante!” explica Thuillot. “Assim, embora não possamos afirmar que esta é a primeira verdadeira descoberta de um asteróide por Gaia, está claramente muito próxima e mostra quão perto estamos de encontrar, com a ajuda de Gaia, um objecto do Sistema Solar nunca antes visto.”

Gaia-606 foi encontrado no cinto de asteróides principal, o que não é surpreendente dada a quantidade de asteróides aí existentes. No entanto, Gaia também fornece dados de áreas do céu não extensivamente observadas por pesquisas existentes no terreno, dando-lhe o potencial de encontrar asteróides em áreas onde outros não iriam olhar. Uma dessas áreas é uma região próxima ao Sol vista da Terra. As observações são feitas a partir da Terra durante a noite, quando o ângulo entre qualquer fonte e o Sol é bastante grande, enquanto Gaia pode fazer observações a qualquer momento e assim observar os objectos muito mais perto do Sol. Isto dá a Gaia o potencial emocionante para observar asteróides que orbitam dentro da órbita da Terra – estes são conhecidos como asteróides Atira e apenas dezasseis são actualmente conhecidos.

Gaia tem também o potencial de fazer descobertas em altas latitudes eclípticas. Não é que pesquisas terrestres de objectos do Sistema Solar não possam ser aí observadas, mas porque há uma tendência para que não sejam. A grande maioria dos asteróides existe no plano eclíptico e, como resultado, é aqui que a maioria das pesquisas concentra seus esforços. Gaia não tem tais preconceitos e examina todo o céu, dando-lhe o potencial para descobrir novos asteróides nas áreas menos lotadas, perdidas por outras pesquisas.

“Embora o papel principal de Gaia na ciência do Sistema Solar continue a ser a sua capacidade de caracterizar o movimento e as propriedades físicas dos asteróides conhecidos, mostrou agora que também pode desempenhar um papel na busca de novos, adicionando-os ao seu catálogo cada vez maior de objectos do Sistema Solar,” conclui Tanga.

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário