Fada em chamas



Planck 1

Esta imagem do satélite Planck da ESA parece mostrar algo etéreo e fantástico: Uma figura semelhante a uma fada emergindo de chamas ardentes e caminhando em direcção ao lado esquerdo do quadro, a sua silhueta uma chama de cores quentes e coloridas.

Esta ilusão de fogo é na verdade um elemento celestial denominado ‘Polaris Flare’. Este nome é um pouco enganador; apesar do seu apelido, o ‘Polaris Flare’ não é uma erupção mas sim um feixe de filamentos de poeira de 10 anos-luz de largura na constelação de Ursa Menor a cerca de 500 anos-luz de distância.

O ‘Polaris Flare’ está localizado perto do Pólo Norte Celeste, um ponto percetível no céu alinhado com o eixo de rotação da Terra. Estendendo-se até aos céus dos hemisférios do norte e do sul, esta linha imaginária aponta para os dois polos celestes. Para encontrar o Pólo Norte Celeste, um observador só precisa localizar o ‘Polaris’ nas proximidades (também conhecido como a Estrela do Norte ou Estrela Polar), a estrela mais brilhante na constelação de Ursa Menor. Alguns dos segredos do ‘Polaris Flare’ foram descobertos quando foi observado pelo Herschel da ESA há alguns anos atrás.

Usando uma combinação de tais observações do Herschel e uma simulação de computador, os cientistas pensam que os filamentos do ‘Polaris Flare’ parecem ter sido formados como resultado de ondas de choque lentas empurrando o seu caminho através de uma nuvem interestelar densa, um acumulação de poeira cósmica fria e gás que se encontram entre as estrelas da nossa galáxia.

Estas ondas de choque, que lembram os estrondos sónicos formados por ondas sonoras rápidas aqui na terra, poderiam elas próprias ter sido desencadeadas por estrelas próximas que explodem e que perturbam o ambiente ao seu redor à medida que morrem, provocando uma grande nuvem de ondas de turbulência.

Esta imagem não apresenta uma visão de cores verdadeiras, nem é uma impressão artística do ‘Flare’, ao contrário, compreende observações do Planck, que operou entre 2009 e 2013. Planck digitalizou e mapeou o céu inteiro, incluindo o plano da Via Láctea, à procura de sinais de luz antigos (conhecidos como radiação cósmica de fundo) e emissão de poeira cósmica. Esta emissão de poeira permitiu ao Planck criar este mapa único do céu – um mapa magnético.

As linhas de relevo ligadas através desta imagem mostram a direção média do campo magnético da nossa galáxia na região que contém o ‘Polaris Flare’. Isto foi criado utilizando a emissão observada a partir de poeira cósmica, que foi polarizada (constrangido a uma direção).

Grãos de poeira na Via Láctea e em seu redor são afectados pelo campo magnético da galáxia e entrelaçados com ele, levando-os a alinhar preferencialmente no espaço. Isto leva à emissão de poeira, que também exibe uma orientação preferencial que Planck poderia detectar. A emissão de poeira é calculado a partir de uma combinação de observações de Planck a 353, 545 e 857 GHz, enquanto a direcção do campo magnético é baseada em dados de polarização de Planck a 353 GHz. Este quadro tem uma área de 30 x 30˚ no céu, e as cores representam a intensidade de emissões de poeira.

Notícia e imagem: ESA

Tags:  ,

Deixe um comentário