Exploração do firmamento por Gaia



Esta colorida flâmula é criada a partir de dados reais, que representam a direcção de visualização do satélite Gaia da ESA, à medida que explora o céu.

A missão de Gaia é elaborar o maior e mais preciso mapa, em 3D, da nossa Galáxia, ao pesquisar mais de mil milhões de estrelas. Este objetivo baseia-se na observação sistemática e repetitiva de posições de estrelas em dois campos de visão, para detectar mudanças no movimento de um objeto através do espaço. Como tal, Gaia gira lentamente, estendendo os seus dois telescópios, que estão separados por 106,5º, por toda a esfera celestial, perfazendo quatro rotações completas por dia.

Ao mesmo tempo, o seu eixo de rotação muda de orientação em torno do Sol a cada 63 dias, permitindo que diferentes partes do céu sejam cartografadas. Esta abordagem cria uma grade interligada de posições e movimentos estelares.

Enquanto os mapas estelares forneceram o foco dos lançamentos de imagens anteriores, esta imagem representa o movimento do próprio satélite por todo o céu.

A posição de Gaia é traçada a cada segundo com dois pontos: um para representar cada um dos dois telescópios naquele momento. As posições são traçadas em coordenadas celestiais: ascensão direita (eixo horizontal) e declinação (eixo vertical), que podem ser imaginadas como linhas de longitude e latitude impressas no interior da esfera celestial.

As cores indicam a direcção da exploração, a qual é indicada na borda da imagem. A direcção da análise em relação ao norte (para cima) pode ser encontrada começando no centro da imagem e movendo-se em direcção à borda para a cor apropriada. Cada cor ao redor da borda abrange uma faixa de 18º.

Um olhar mais pormenorizado revela primeiro um padrão de tecelagem cruzada e, em última análise, os pontos individuais. A maior densidade de padrões de sobreposição representa as áreas do céu que já foram cartografadas várias vezes em direcções diferentes, enquanto que as regiões de densidade mais baixa foram analisadas menos vezes e em menos direcções diferentes. Eventualmente, as lacunas fechar-se-ão, à medida que Gaia faz mais e mais pesquisas repetidas do céu.

Gaia foi lançado no dia 19 de Dezembro de 2013 e começou as operações de rotina em Julho de 2014. O primeiro catálogo de mais de mil milhões de estrelas, com base nos primeiros 14 meses de exploração, foi publicado em Setembro de 2016. A imagem aqui mostrada foi criada a partir dos movimentos de Gaia entre 1 de Outubro de 2014 e 31 de maio de 2016. Isto corresponde ao período que inclui o segundo lançamento de dados, que está agendado para abril de 2018.

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário