ESA – Imagem da semana (V)



Os lagos Bakhtegan e Rashk (que juntos são conhecidos como Lagos Neyriz) na Província de Fars no Sul do Irão surgem nesta imagem obtida pelo satélite japonês ALOS.

O Lago Bakhtegan (no centro) e o Lago Tashk (em cima), situados no planalto Neyriz, são lagos salgados nas montanhas Zagros situadas no Sudeste com níveis de água flutuantes dependendo das chuvas e da queda de neve nas montanhas.

O Lago Bakhtegan, o segundo maior lago do Irão, recebe a maior parte das suas águas do Rio Kur, enquanto que o Lago Tashk recebe as suas águas das enchentes dos pantanos a Oeste e a partir de uma nascente situada a Noroeste.

Apesar de separados por braços de terra, durante os anos de intensas chuvas os dois lagos podem unir-se num único lago. Da mesma forma, em anos de fraca precipitação, tais como em 1934 e 1971, os lagos podem secar completamente exceptuando as áreas juntos às nascentes.

Suportando mais de 20.000 aves aquáticas durante as épocas de migração e no Inverno, os lagos são extremamente importantes para a criação de muitas variedades de espécies e na ajuda da manutenção da diversidade genética e ecológica da região.

Os dois lagos, bem como os seus deltas e pantanos alimentados por nascentes são designados como Áreas Húmidas de Importância Internacional pela Convensão de Ramsar sobre as áreas húmidas. Este é um tratado internacional estabelecido em 1971 e que criou uma base de trabalhos para a manutenção e preservação deste tipo de zonas.

O Parque Nacional de Bakhtegan, um parque de vida selvagem, santuário e reserva, é visível no topo central da imagem acima do Lago Bakhtegan.

O ALOS (Advanced Land Observing Satellite) obteve esta imagem a 6 March 2009 com o seu instrumento Advanced Visible and Near Infrared Radiometer type-2 (AVNIR-2). Este instrumento foi desenhado para mapear os solos e a vegetação nas bandas visíveis e infravermelha com uma resolução de 10 metros.

Adicionalmente o ALOS transporta o Phased Array type L-band Synthetic Aperture Radar (PALSAR), um radar de microondas que pode obter observaçõestanto de noite como de dia e através de quaisquer condições atmosféricas.  Para além do PULSAR existe também o Panchromatic Remote-sensing Instrument for Stereo Mapping (PRISM), que pode observar áreas seleccionadas em três dimensões até uma resolução espacial de 2,5 metros.

A ESA apoia a missão do ALOS utilizando a sua multi-estrutura no solo e experiência para obter, processar e distribuir dados para a sua comunidade de utilizadores.

Imagem: JAXA, ESA

Deixe um comentário