Equipa europeia leva a missão de asteróides da ESA mais próxima à vida



asteroid_impact_mission_medium

Empresas por toda a Europa estão a juntar-se para lidar com diferentes aspectos da Missão de Impacto de Asteróide proposta pela ESA. O seu trabalho de definição detalhada começou à frente de uma decisão de vai/não vai, no próximo mês.

A Missão de Impacto de Asteróide, ou AIM (Asteroid Impact Mission), está proposta para lançamento aos duplos asteróides Didymos, em 2020, como parte da primeira demonstração de um método planetário de defesa juntamente com a nave espacial de impacto de Teste de Redirecionamento do Duplo Asteróide (DART) da NASA.

A AIM reunirá todos os dados técnicos necessários para validar os modelos de impacto, à medida que o DART atingirá o menor dos dois corpos, ao mesmo tempo que implementará dois CubeSats para observações complementares (e mais arriscadas) e colocará a micro-sonda Mascot-2 na pequena lua de Didymos para examinar a sua estrutura interior profunda.

A AIM é uma missão apressada porque o asteróide Didymos continua a sua corrida para um encontro próximo com o nosso planeta em 2022. A responsabilidade da indústria é manter o ritmo: desde 2011, mais de 40 empresas em 15 Estados-Membros da ESA, têm vindo a moldar uma missão altamente inovadora e rápida.

Esta vasta gama de actividades que estão a ser desenvolvidas está na base da forma como a AIM está a tornar-se cada vez mais um projecto verdadeiramente europeu“, diz Ian Carnelli, responsável pela missão da ESA.

Começámos o nosso trabalho de definição detalhada com a indústria, enquanto a decisão sobre a plena implementação da missão será tomada no Conselho de Ministros da ESA no próximo mês. Este é um passo muito importante para manter o nosso ritmo e testar novas abordagens que permitam uma implementação mais rápida da missão ao integrar a ESA, a indústria e equipas de carga útil.”

A GMV em Madrid, por exemplo, está a realizar testes importantes na câmara de navegação fornecida pelo Instituto Max Planck da Alemanha. A GMV está a avaliar o programa informático de navegação baseado em imagens para a missão, fazendo com que a câmara analise minuciosamente as imagens que o ‘caçador’ de cometas Rosetta da ESA adquiriu durante a sua passagem perto do asteróide Lutetia, de 100 km de diâmetro, a caminho do seu Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko.

Não há dois asteróides exactamente iguais, e na verdade os asteróides Didymos estão realmente muito distantes para que os astrónomos na terra conheçam as suas características superficiais precisas“, explica Michael Kueppers, cientista do projeto AIM.

Mas essas imagens da Rosetta oferecem um análogo útil para testar a precisão de navegação que precisaremos para manobrar em torno do nosso alvo ‘Didymoon’ e, finalmente, libertar a Mascot-2 na sua superfície, dentro de alguns centímetros por segundo de precisão.

A câmara de navegação em questão já está a voar na missão Dawn da NASA para asteróides principais, e já contribuiu para uma riqueza de novas descobertas científicas.”

A equipa também está a trabalhar com consórcios de pesquisa que apresentaram CubeSats para voar a bordo do AIM, antes de uma selecção final para voar.

É inspirador ver o progresso no projecto AIM à medida que a NASA continua esta colaboração inovadora com a ESA no conjunto Impacto de Asteróide e Avaliação de Deflexão“, declarou Lindley Johnson, Executivo do Gabinete do Programa de Coordenação de Defesa Planetária da NASA.

O nosso conceito conjunto tem um benefício estratégico significativo para ambas as agências espaciais. Embora ambas as missões tenham resultados independentes substanciais, este esforço colaborativo trará benefícios consideravelmente maiores para os esforços internacionais na mitigação de ameaças de impacto de asteróides.”

A rede de naves-mãe da AIM, sondas e CubeSats no espaço profundo será pioneira no mundo, pavimentando o caminho para novas arquitecturas de exploração. A AIM também demonstrará tecnologia inovadora, permitindo que a nave espacial navegue autonomamente em torno do asteróide como uma nave espacial auto-dirigida.

Esta missão passo a passo permitirá que futuras naves espaciais de espaço profundo beneficiem da sua riqueza de demonstrações de tecnologia.

A equipa industrial da AIM é liderada pela OHB (Alemanha) juntamente com QinetiQ Space (Bélgica), GMV (Espanha), Antwerp Space (Bélgica), Astronika (Polónia), GMV-PL (Polónia), Spin.Works (Portugal), GMV-PT (Portugal) e GMV-RO (Roménia).

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO1990

Deixe um comentário