Enxame de fracturas em Marte



Estas surpreendentes características em Marte foram causadas pelo alongamento da crosta do planeta, em resposta à actividade vulcânica antiga.

Sirenum Fossae em contexto

As fracturas na região de Sirenum Fossae, no hemisfério sul, foram fotografadas pela sonda Mars Express da ESA, em Março. Estendem-se por milhares de quilómetros de comprimento, muito além dos limites desta imagem.

As fracturas dividem a crosta em blocos: o movimento ao longo de um par de falhas faz com que a secção central caia em ‘fossas tectónicas’ com vários quilómetros de largura e algumas centenas de metros de profundidade. Blocos de crosta elevados permanecem entre a fossa tectónica quando há uma série paralela de falha, como se vê nesta imagem.

Sirenum Fossae faz parte de um padrão de fractura radial maior ao redor do vulcão Arsia Mons, na região de Tharsis, que fica a cerca de 1800 km a nordeste.

Tharsis é a maior província vulcânica de Marte, cujo sistema de fracturas de grande alcance atesta a poderosa influência que esta impressionante província vulcânica teve no planeta.

Fracturas em Sirenum Fossae

Na verdade, pensa-se que o sistema de fracturas de Sirenum Fossae visto aqui possa estar associado a tensões tectónicas decorrentes da actividade vulcânica antiga na região de Tharsis. Por exemplo, a fossa tectónica pode ter sido causada pela crosta do planeta que se esticava à medida que uma câmara de magma empurrava a crosta acima dela, ou, alternativamente, à medida que a crosta colapsava ao longo de linhas mais frágeis, enquanto a câmara de magma esvaziava.

Também é possível que cada fossa tectónica estivesse associada a um antigo canal vulcânico: um corredor íngreme dentro da rocha, ao longo do qual o magma do interior de Marte se propagou para cima, causando fendas ao longo da superfície.

Neste caso, a fossa tectónica poderia representar um gigante “enxame de canais” que se estende do centro vulcânico. Os enxames de canais também são vistos na Terra, como na Islândia, onde são observados com fracturas de superfície e conjuntos de fossas tectónicas no enxame de fissuras de Krafla.

Topografia de Sirenum Fossae

Tal como acontece com qualquer característica geológica que corta a superfície do planeta, os sistemas de fossas tectónicas possibilitam uma boa janela para a subsuperfície. Também fornecem superfícies íngremes para processos activos que ocorrem em tempos mais recentes.

Por exemplo, o Mars Reconnaissance Orbiter da NASA identificou rampas em algumas das encostas íngremes de Sirenum Fossae, ao longo de calhas e nas margens das crateras de impacto. O material que eleva os pequenos canais é um tópico de pesquisa activa: inicialmente pensava-se que estavam relacionados com água corrente, mas propostas recentes sugerem que o dióxido de carbono congelado sazonal – gelo seco – que flui para baixo possa ser o responsável.

Sirenum Fossae em 3D
 
Notícia e imagens: ESA
 
Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90
Tags:  ,

Deixe um comentário