Dia histórico: Soyuz ST-B é lançado desde Kourou



O dia 21 de Outubro de 2011 ficará nos registos históricos da nossa aventura espacial como o dia em que um foguetão russo foi pela primeira vez lançado fora do território da Rússia.

O lançamento do foguetão 14A14-1B Soyuz ST-B/Fregat-MT (001/1030/VS01) foi lançado desde o Complexo de Lançamento ELS do CSG Kourou, Guiana Francesa, às 1030:26UTC. As diferentes fases do lançamento decorreram sem problemas, mas o estágio Fregat-MT ainda terá de levar a cabo novas ignições para colocar a sua carga na órbita desejada.

A bordo do primeiro Soyuz desde Kourou seguiram os dois primeiros satélites Galileu IOV. O primeiro elemento orbital do sistema de navegação europeu é constituído por dois satélites que fazem parte da fase In-Orbit Validation (IOV) que é o núcleo operacional de uma constelação de 30 satélites.

Similares aos próximos satélites que serão colocados em órbita, os primeiros quatro satélites irão provar que os satélites e o elemento no solo cumprem muitos dos requisitos do sistema Galileu e irão validar o desenho do sistema antes da finalização e do lançamento do resto da constelação.

O segundo lançamento IOV está previsto para Agosto / Setembro de 2012.

Cada satélite tem uma massa de 640 kg tendo as dimensões 3,02 x 1,58 x 1,59 m (na posição de armazenamento) e 2,74 x 14,50 x 1.59 m (com os painéis solares abertos). A bordo transportam uma carga com dois relógios atómicos PHM (Passiv Hydrogen Maser), dois relógios atómicos de rubídio, uma unidade de monitorização e de controlo dos relógios, uma unidade geradora de sinal de navegação, uma antena de banda L para a transmissão do sinal de navegação, uma antena de banda C para detecção de sinal, duas antenas de banda S para telemetria e telecomandos, e uma antena de busca e salvamento. Os painéis solares irão fornecer 1.420 watts de energia em exposição directa e 1.355 watts em eclipse. A vida operacional de cada satélite será superior a 12 anos. Os satélites serão controlados a partir do Centro de Controlo Galileu em Fucino, Itália.

Sendo o resultado da primeira cooperação entre a Comissão Europeia e a ESA, o sistema de navegação Galileu composto por 30 satélites irá fornecer serviços de posicionamento, navegação e temporização de alta precisão em todo o globo como um serviço civil oferecendo a garantia de uma cobertura contínua.

A fase de desenvolvimento e IOV do sistema Galileu teve início em finais de 2003. Esta fase tem como objectivo levar a cabo a validação orbital do sistema utilizando uma constelação reduzida que quatro satélites IOV – sendo este o número mínimo para garantir a provisão de um posicionamento e temporização exactos em determinadas localizações teste – em combinação com a rede de estações terrestres Galileu.

Assim, os quatro satélites iniciais levam a cabo um papel duplo, servindo como validação geral do sistema enquanto fazendo parte da constelação operacional.

Após o lançamento dos satélites IOV, a estação de rastreio da ESA em Redu, Bélgica, será empregada primeiramente para a fase Launch and Early Phase (LEOP) e depois, uma vez operacionais os quatro satélites, para o programa In-Orbit Test (IOT). Este programa irá verificar a performance da carga de navegação para o sinal de navegação: tanto a transmissão do satélite para os utilizadores (downlink) como a recepção (uplink) vinda do Galileo’s Ground Mission Segment para os satélites e retransmissão para os utilizadores.

Os resultados serão cruciais para o sucesso do sistema Galileu, sendo utilizados para estabelecer referências para as suas vidas operacionais e utilizados como referência ao longo de toda a constelação Galileu. 

 


Imagens: ESA

Deixe um comentário