Descida para Titã



Até à chegada da missão internacional Cassini-Huygens a Saturno, em 2004, muito sobre o gigante gasoso, o sistema de anel complexo e as suas luas enigmáticas permanecia um mistério.

A 14 de Janeiro de 2005, o mistério sobre o que se encontrava sob a espessa atmosfera da maior lua de Saturno, Titã, seria revelado à medida que a sonda Huygens da ESA fez a primeira aterragem bem-sucedida num mundo no Sistema Solar externo.

Durante as duas horas e meia de descida sob para-quedas, os elementos que se assemelhavam notavelmente com o litoral marítimo e os sistemas de rios da Terra surgiram na neblina. Mas em vez de água, e com temperaturas superficiais de cerca de -180ºC, o fluido aqui envolvido é o metano, um composto orgânico simples.

Encontra-se aqui retratado um conjunto de imagens obtidas por Huygens, mostrando o panorama a partir de 2 km de altitude. Está na projecção de Mercator, assim, as direcções N-S/E-W são perpendiculares, mas as áreas superficiais parecem distorcidas.

Huygens aterrou numa superfície congelada, repleta de seixos arredondados, e continuou a transmitir à sua nave-mãe durante 72 minutos, antes que Cassini desaparecesse no horizonte. O fluxo de dados retornado da superfície forneceu um tesouro único de medições in situ, que os cientistas ainda hoje estão a examinar.

Durante a sua odisseia de 13 anos no sistema Saturniano, Cassini fez 127 voos aproximados fechados a Titã, incluindo um mapa-radar da sua superfície – mesmo antes da descida de Huygens – e encontrou numerosos lagos e mares de hidrocarbonetos, evidência de um oceano global de água sob a sua espessa crosta, e uma atmosfera cheia de produtos químicos pré-bióticos. Pensa-se que a atmosfera de Titã seja semelhante à atmosfera anterior da Terra, antes do desenvolvimento da vida e, assim, pode ser vista como um laboratório à escala planetária, para entender as reacções químicas que podem ter levado à aparição de vida na Terra.

Cassini também assistiu à mudança das estações de Titã ao longo do tempo, incluindo o desenvolvimento de um vórtice rodopiante e nuvens de chuva de metano que precipitam na superfície.

Titã também actuou como um estilingue gravitacional para Cassini ao longo da sua missão, colocando o satélite em curso para a exploração do sistema de Saturno. Hoje à noite (19:04 GMT), Cassini fará o seu último, distante, voo de aproximação a Titã, apelidado de “beijo do adeus” pelos responsáveis da missão, levando-o até 119 049 km da sua superfície.

O voo de aproximação sela o destino de Cassini, fazendo com que a nave espacial diminua ligeiramente a sua órbita em torno de Saturno e baixe a sua altitude sobre o planeta. Assim, mergulhará na atmosfera, colocando a nave espacial da maneira mais segura possível, para evitar um impacto imprevisto num satélite gelado primitivo, como o Enceladus oceânico.

Mais sobre o ‘Grand Finale’ da missão.

Mais sobre as descobertas em Titã, via “Cassini prepara-se para se despedir de um verdadeiro Titã

Mais sobre as descobertas de Cassini-Huygens no arquivo da ESA.

A missão Cassini-Huygens é um projecto cooperativo entre a NASA, a ESA e a agência espacial da Itália, ASI.

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Deixe um comentário