CubeSats em busca de segredos na escuridão lunar



Imagine enviar uma aeronave, do tamanho de uma mala de avião, para a Lua – o que gostaria que fizesse? A ESA emitiu esse desafio, no ano passado, às equipas europeias e já foram escolhidos dois vencedores.

Lunar Meteoroid Impact Orbiter, ou Lumio, circundaria o lado oposto da Lua para detectar relâmpagos de impacto brilhantes durante a noite lunar, cartografando bombardeios de meteoros à medida que estes ocorrem.

À procura de gelo

O outro, o Lunar Volatile and Mineralogy Mapping Orbiter, ou VMMO, concentrar-se-ia numa cratera permanentemente sombreada, perto do polo sul lunar, procurando depósitos de gelo de água e outros voláteis de interesse para os futuros colonos, enquanto também mediria a radiação lunar.

A selecção destes vencedores finais foi um processo difícil, devido à alta qualidade de todos os estudos conceituais que recebemos – especialmente dos nossos quatro semifinalistas”, explica Roger Walker, director de tecnologia CubeSat da ESA.

Empresas europeias, universidades e centros de investigação uniram-se para projectar missões lunares para se adequarem ao padrão CubeSat de baixo custo – construído a partir de cubos de 10 cm.

Centro de projectos da ESA

Roger acrescenta: “A ideia por trás da nossa competição Lunar CubeSat foi desafiadora – até agora o CubeSats operou apenas na órbita terrestre. No entanto, deveriam abrir-se oportunidades para uma boleia até à Lua, na próxima década, com voos circum-lunares da nave espacial Orion da NASA-ESA e voos comerciais planeados.”

Os dois vencedores foram escolhidos após as apresentações finais no centro multimédia avançado da ESA, utilizado para projectar todas as missões da Agência. Agora, têm a oportunidade de trabalhar com especialistas da ESA no desenvolvimento da missão durante Fevereiro e Março.

O Lumio, que acompanha o impacto, é um CubeSat único de 12 unidades, concebido por um consórcio que inclui o Politécnico de Milão; TU Delft, EPFL, S[&]T Noruega, Leonardo-Finnmeccanica e a Universidade do Arizona.

Ao orbitar um ponto especial no espaço, a sofisticada câmara óptica do Lumio detectaria impactos no lado distante da Lua. Estes relâmpagos do lado mais próximo são mapeados por telescópios na Terra durante a noite, mas o outro rosto da Lua é um ponto cego.

Longe da luz do ambiente terrestre, os relâmpagos muito fracos deveriam ser detectáveis, melhorando a nossa compreensão dos padrões de meteoros passados e presentes no Sistema Solar. Este sistema de observação também poderia transformar-se num sistema que oferecesse aviso prévio aos futuros colonizadores.

VMMO, desenvolvido pela MPB Communications Inc, Centro Espacial Surrey, Universidade de Winnipeg e Lens R&D, também adopta um design CubeSat de 12 unidades. O seu laser miniaturizado examinaria o seu alvo primário da Cratera Shackleton, adjacente ao Polo Sul, para medir a abundância de água-gelo. A região dentro da cratera está na escuridão permanente, permitindo que as moléculas de água se condensem e congelem nas condições muito frias.

Ao explorar um caminho de 10 m de largura, o VMMO levaria cerca de 260 dias a construir um mapa de alta resolução de água-gelo, dentro da cratera de 20 km de diâmetro. O seu laser também irradia dados de banda larga de volta à Terra, através de uma experiência de comunicação óptica.

O VMMO também cartografaria recursos lunares, como minerais, ao sobrevoar as regiões iluminadas pelo sol, além de monitorizar a distribuição de gelo e outros voláteis em áreas escuras, para entender como os condensados migram pela superfície durante a noite lunar de duas semanas.

Uma carga útil de detecção de radiação secundária criaria um modelo detalhado do ambiente de radiação, para benefício do equipamento de missão de acompanhamento, bem como exploradores humanos.

Polo sul lunar

Esta competição – levada a cabo pelo programa SysNova Challenge da ESA – ajudou a reunir especialistas lunares e do CubeSat”, acrescenta Ian Carnelli da ESA. “Isto significa que o sector espacial da Europa deveria ser mais capaz de aproveitar as oportunidades de voo que surgirem no futuro.”

As missões que ficaram em segundo lugar foram o MoonCARE que analisava a radiação e o CLE de astronomia de rádio do lado oposto.

Veja o vídeo

Notícia e imagens: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

Tags:  ,

Deixe um comentário