CryoSat revela recuo dos glaciares da Patagónia

Enquanto o CryoSat da ESA continua a fornecer informações precisas sobre quanto gelo marinho se está a perder, e como as camadas de gelo da Antártida e da Gronelândia estão a mudar, a missão ultrapassou novamente o seu âmbito original, revelando exactamente como os glaciares de montanha também sucumbem à mudança.

Por todo o mundo os glaciares estão a recuar – e nos últimos 15 anos, o gelo glacial tem sido a principal causa do aumento do nível do mar.


Veja o vídeo

Além da Antártica, a Patagónia abriga os maiores glaciares do hemisfério sul, mas alguns estão a recuar mais rápido do que em qualquer outro lugar do mundo.

Isto ocorre porque o clima é relativamente quente e esses glaciares, geralmente, terminam em fiordes e lagos, exacerbando o derretimento da superfície e fazendo com que fluam mais rapidamente e percam gelo na forma de icebergs nas suas margens.

Há uma clara necessidade de monitorizar e entender a dinâmica glacial, não apenas na Patagónia, mas globalmente.

No entanto, com cerca de 200.000 glaciares em todo o mundo, juntamente com o seu terreno acidentado e remoto, a manutenção de sistemas de monitorização locais é extremamente difícil.

Voltando ao espaço, os altímetros de radar por satélite cartografaram a perda de gelo das grandes camadas, nos últimos 25 anos, mas a pegada deste tipo de instrumento é, geralmente, muito grosseira para monitorizar os glaciares menores das montanhas.

Felizmente, o novo modo de processamento de dados do CryoSat torna agora possível cartografar, detalhadamente, esses glaciares.

Processamento de faixa

Noel Gourmelen, da Universidade de Edimburgo, disse: “A técnica de processamento de faixa difere da altimetria de radar convencional. Utilizando o novo modo interferométrico do CryoSat, vemos como a frente de onda do radar interage com a superfície.

Podemos, então, extrair toda uma extensão de elevações em vez de pontos de elevação únicos. Isto está a revolucionar o uso do CryoSat em terrenos gelados complexos, produzindo mais detalhes do que imaginávamos.”

Um artigo publicado recentemente, em Sensoriamento Remoto do Meio Ambiente, descreve como esta técnica tem sido utilizada para revelar padrões complexos na mudança de altura dos glaciares na Patagónia.

Luca Foresta, também da Universidade de Edimburgo, explicou: “Utilizámos o CryoSat para descobrir que, entre 2011 e 2017, houve desbaste generalizado, particularmente na parte norte dos campos de gelo.

Por exemplo, o glaciar Jorge Montt, que desce até o oceano, recuou 2,5 km e perdeu cerca de 2,2 Gt de gelo por ano, e o glaciar Upsala, que termina num lago, perdeu 2,68 Gt por ano.

Em contraste, no entanto, o Pio XI, o maior glaciar da América do Sul, avançou e ganhou massa, a uma taxa de cerca de 0,67 Gt por ano.”

Durante o período de seis anos, os campos de gelo da Patagónia perderam massa, em geral, a uma taxa de mais de 21 Gt por ano, o que equivale a adicionar 0,06 mm ao nível do mar. É também um aumento de 24% em comparação com a quantidade de gelo perdida entre 2000 e 2014.

Este documento coincide com o lançamento de um novo conjunto de dados de acções do CryoSat sobre a Gronelândia. Além dos seis mil milhões de medições reunidas ao longo de seis anos, os investigadores estão também a utilizar este conjunto de dados para gerar um modelo digital de elevação da camada de gelo da Gronelândia e um novo mapa de taxas de desbaste.

Flora Weissgerber, da Universidade de Edimburgo, disse: “Graças às capacidades interferométricas e ao processamento de faixa do CryoSat, conseguimos calcular a elevação e a mudança de elevação ao longo da camada de gelo da Gronelândia.

Este conjunto de dados exclusivo, de alta resolução, deverá permitir uma melhor modelagem e maior compreensão da quantidade de gelo que se está a perder a partir da Gronelândia.”

Mark Drinkwater, da ESA, observou: “Esta abordagem abre uma janela para o que poderia ser possível, no futuro, com a missão Polar Ice and Snow Topography (Topografia do gelo polar e da neve), que é actualmente uma missão candidata em estudo, como parte da Expansão de Copernicus.”

Notícia e imagem: ESA

Texto corrigido para Língua Portuguesa pré-AO90

 

%d blogueiros gostam disto: