Cosmonauta nº 1



 Yuri Gagarin tornou-se no primeiro ser humano a realizar um voo espacial quando tripulou um veículo especial Vostok numa única órbita da Terra na manhã da Quarta-feira, 12 de Abril de 1961.
 

Era um dia de Primavera sem nuvens no centro de lançamentos de Baikonur nas estepes áridas do Cazaquistão quando os 24 motores do primeiro estágio do foguetão R-7 entraram em ignição. "Poyekhali", disse Gagarin à medida que o foguetão se elevava. "Aqui vamos nós!" Em minutos ele estava no espaço dizendo que se sentia bem, que a Vostok estava a funcionar. "Eu consigo ver o horizonte," disse, descrevendo imagens que nenhuma humano havia visto antes. "Tem uma espécio de halo, um arco-íris…" Ele passou sobre o Oceano Pacífico e sobre a América (e pensou em Alan Shepard, que Gagarin acreditava vir a ser o primeiro a ir ao espaço). Sobre Africa os retro-motores funcionaram, tirando o veículo especial de órbita. Após a reentrada, que se tornou complicada devido à falha na separação dos retro motores, Gagarin ejectou-se da Vostok tal como planeado e desceu de pára-quedas em segurança para um campo cultivado de uma quinta colectiva perto de Saratov. O voo de Gagarin teve uma duração de 1 hora e 48 minutos.

Gagarin nasceu a 9 de Março de 1937 na vila de Klushino, região de Smolensk a Oeste de Moscovo. O seu pai era um carpinteiro, e afamília Gagarin viveu sobre ocupação alemã na vila de Gzhatsk durante vários anos durante a Segunda Guerra Mundial. Após de formar na escola secundária em 1949, Gagarin frequentou a Escola Técnica de Agricultura de Lyubertsy durante dois anos seguida pela Escola Técnica Industrial de Saratov. Mas enquanto estudava para se tornar um trabalhador fabril, Gagarin juntou-se num clube de pilotos amadores e aprendeu a voar. Um dos seus instrutores recomendou-o para a força aérea e Gagarin ingressou na Escola Superior da Força Aérea de Orenburg em 1955.


Após finalizar os seus estudos em Novembro de 1957, foi oferecida a Gagarin a hipótese de se tornar instructor em Oreburg, mas ele optou pelo service na Frota do Norte. Durante dois anos foi piloto baseado em Zapolyarny, a Norte do círculo Ártico, até de voluntarear para o grupo de cosmonautas em Outubro de 1959. No mês de Março seguinte, após meses de testes medicos, psicológicos e politicos, Gagarin foi um dos 20 jovens pilotos que se apresentaram no Aeroporto Central de Frunze em Moscovo para iniciar o treino para o voo especial tripulado.

Rapidamente Gagarin tornou-se um dos candidatos para o primeiro voo e em finais de Março de 1961 foi indicado pelo director do treino dos cosmonautas, O Tenente-general Nikolai Kamanin, que ele seria o piloto do primeiro Vostok. Uma reunião da Comissão Estatal a 8 de Abril de 1961, confirmou a nomeação de Gagarin.

Após o seu histórico voo Gagarin passou muitos dias e semanas a participar em encontros públicos e viagens, visitando a Checoslováquia, Grá-bretanha e Canadá. Foi-lhe difícil dedicar tempo à sua carreira de piloto activo e de cosmonauta e viu-se relegado para trabalhos administrativos. Ele foi, de facto, nomeado comandante da equipa de cosmonauta a 25 de Maio de 1961, um posto que manteve até Dezembro de 1963 quando foi nomeado director-adjunto do Centro de Treino de Cosmonautas. Nestes postos ele dirigiu o treino das primeiras mulheres cosmonautas (que chegaram ao centro em Março de 1962) e serviu como operador de comunicações para as missões conjuntas da Vostok-3 e Vostok-4, Voskhod-1 e Voskhod-2. Esteve também activo politicamente como delegado aos Congressos do Partido em 1961 e 1966.

Até Junho de 1964, Gagarin esteve proibido de voar e treinar de forma active, uma restrição que ele achou crescentemente frustrante. Fez repetidos apelos ao General Kamanin para que lhe fosse permitido treinar de noco, e em Abril de 1966 Kamanin acedeu, permitindo que Gagarin se juntasse ao grupo de cosmonautas, iniciando assim o treino para um novo voo especial.

As nomeações prelminares para a missão Soyuz-1 / Soyuz-2, feitas em Setembro de 1966, originalmente não incluiam Gagarin. Mas ele lutou pela sua inclusão, e foi finalmente nomeado como segundo ou piloto suplente de KOmarov na Soyuz-1. Esperava-se que participasse numa missão Soyuz de uma semana em 1967.

Mas após o seu lançamento a 23 de Abril de 1967, a Soyuz-1 de Komarov viu-se com severos problemas técnicos: um painel solar não se abriu apropiadamente, deixando o veículo especial com escassez de energia. Também ocorreram problemas com o sistema de controlo de attitude. O lançamento da Soyuz-2 foi cancelado e foi ordenado o regresso da Soyuz-1.

Após a reentrada, porém, os pára-quedas na cápsula de Komarov não se abriram devidamente. O veículo despenhou-se no solo e rompeu em chamas, matando Komarov e levando o programa especial Soviético a uma paragem repentina. Gagarin participou nos serviços funebres de Komarov, e esperou envolver-se na investigação e regressar ao voo. Mas cinco dias após o acidente, o General Kamanin removeu de novo Gagarin do treino e foi probido de voar.

Ao longo de 1967 Gagarin continuo os seus estudos na Academia de Engenharia da Força Aérea em Zhukovsky (formar-se-ia em Fevereiro de 1968) e supervisionou o treino não só para os voos orbitais da Soyuz, mas também para as missões Soyuz-Zond circumlunares.

A 12 de Março de 1968, após a finalização dos trabalhos académicos de Gagarin, Kamanin foi capaz de permitir que este voltasse aos treinos. Gagarin imediatamente se juntou aos cosmonautas Shatalov, Volynov, Gorbatko e outros em voos para similar a ausência de gravidade a bordo do Tu-104, e requelificar-se como piloto de aviões a jacto.

Às 10:19 da manhã de 27 de Março de 1968, Gagarin e o instructor de voo Vladimir Seregin levantaram voo da base aérea de Chkalov perto do Centro num MiG-15. Após um pedido dos pilotos para uma alteração de curso, nada mais foi escutado. Os controladores no solo ficaram alarmados. Foram ordenados helicópteros de busca e salvamento levantassem voo. Outras bases na região foram alertadas. As horas foram passando sem qualquer palavra. Finalmente foram avistados destroços numa floresta a pouco mais de 1,6 km da vila de Novoselovo. O próprio Kamanin voou até ao local, percorrendo neve profunda até ao local da cratera que estava agora cehia de água da neve que se havia derretido. Era já anoitecer e a escuridão tornou impossível verificar o que havia ocorrido. Somente com o amanhecer do dia seguinte é que os restos mortais de Gagarin foram encontrados.

Uma investigação e reconstrução do acidente 20 anos mais tarde concluiram que o MiG-15 de Gagarin e de Seregin havia sido apanhado num vortex de outro avião a jacto e entrou numa pirueta. Os pilotos recuperaram, mas viram-se num mergulho extreme a uma altitude não muito superior a 1.000 pés. Foram incapazes de sair do mergulho ou mesmo ejectarem-se.


Gagarin foi o tema de vários trabalhos biográficos em todo o mundo, incluindo "Órbitas de uma Vida" por Oleg Nudenko (1971), "Meu IrmãoYuri" por Valentin Gagarin (1973), "Não Poderia Ter Sido de Outra Forma" por Pavel Popovich e Vasily Lesnikov (1980), "108 Minutos e Toda Uma Vida" pela sua esposa Valentina (1981), "Palavras Sobre Um Filho" pela sua mão Anna (1983) e "Gagarin" por V. Stepanov (1986). As autobiografias incluem "O Meu caminho para o Espaço" (1961) e "Chama" (1968). Gagarin também foi co-autor de vários trabalhos técnicos, incluindo "Sobrevivência no Espaço" (1969).

Uma cratera no lado oculto da Lua, um navio de rastreio soviético, a Academia da Força Aérea do Estandarte Vermelho (Ordem de Kutuzov), o Centro de Treino de Cosmonautas e a sua cidade natal Gzhatsk, receberam o nome de Yuri Gagarin, o "primeiro cidadão" das viagens espaciais.

Adaptado de um texto de Michael Cassutt.

Deixe um comentário